[Impressões] Spin 2019 é mais versátil, mas dirigibilidade pouco mudou

Novos recursos, como segunda fileira de bancos corrediça, trouxeram praticidade ao interior do monovolume, ainda que o motor entregue a idade

Por Alexandre Carneiro05/07/18 às 16h17
De Foz do Iguaçu

Há quem diga que a reestilização aplicada ao Spin 2019 não lhe tirou a cara de capivara, e sim fez dela uma “capivara pistola”. Isso, porém, é maldade: pessoalmente, o design do veículo transmite uma agradável sensação de melhora, com linhas mais harmoniosas.

Apesar de a evolução saltar aos olhos, alguns detalhes poderiam ter recebido mais atenção. Os faróis, apesar do novo formato, mantiveram a arquitetura com um único refletor: esperava-se que eles passassem a ser biparabólicos, como os adotados no Cobalt após a reestilização, mas eles ganharam apenas um filete de LED, que atua como luz de posição, não como DLR. Já o painel analógico, a exemplo do antigo digital, não tem termômetro do fluido de arrefecimento do motor.

Foto Alexandre Carneiro

É fato que as mudanças realizadas nos bancos melhoraram a habitabilidade, otimizando o espaço interno do Spin 2019. O novo recurso de assentos da segunda fileira deslizantes abre um vão tão grande que, com recuo máximo, é possível até cruzar as pernas. Na posição que privilegia o bagageiro, não há tanta folga, mas uma pessoa de média estatura ainda consegue se acomodar sem aperto. Já na terceira fileira, a área é restrita e insuficiente para que um adulto viaje com conforto; ali, só as crianças sentem-se à vontade.

De qualquer modo, a capacidade de transportar sete ocupantes, que sempre foi o maior apelo do monovolume da Chevrolet, agora vem acompanhada de alguma modularidade, o que é positivo. O acabamento exibe novas padronagens de revestimento nos bancos e de textura dos plásticos no painel. No geral, está longe de ser luxuoso, mas o padrão de construção do Spin, da Chevrolet, é coerente com a proposta e a faixa de preços do modelo.

Foto Chevrolet | Divulgação

Conjunto mecânico

A reportagem experimentou a versão LTZ com câmbio automático, em um breve itinerário que mesclou percursos urbano e rodoviário. Apesar das atualizações feitas pelo fabricante no sistema de transmissão, o comportamento dinâmico pouco mudou. Isso não chega a ser ruim, porque o Spin 2019 segue com dirigibilidade adequada à sua proposta familiar. A direção tem boa progressividade e a suspensão entrega um compromisso equalizado entre conforto e estabilidade.

O velho motor 1.8, que entrega bom volume de torque em baixos giros, proporciona alguma agilidade ao veículo, mas seu rendimento cai bastante a partir das médias rotações, quando também começam a ser notadas algumas asperezas de funcionamento. O câmbio, por sua vez, é suave e faz trocas de marchas em momentos oportunos.

Confira os preços do novo Spin:

  • LS: R$ 63.990
  • LT: R$ 68.890
  • LT Automática: R$ 69.990
  • LTZ: R$ 78.490
  • LTZ Automática: R$ 81.990
  • Activ Automática: R$ 79.990
  • Activ Automática de sete lugares: R$ 83.490

Veja também a versão Activ

Fotos das galerias: Chevrolet | Divulgação

7 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • CLAUDIO BOENSE BRETAS 24 de outubro de 2018

    NAO VEM O FILTRO DE AR INTERNO !!!!

  • Clayton Andrade 23 de agosto de 2018

    Ainda falta o principal: airs bags laterais e controle de estabilidade!

  • Alfredo Massaranduba 18 de agosto de 2018

    O carro continua uma josta!

  • Samuel Paixão 27 de julho de 2018

    Excelente carro.

  • ralfo bolsonaro bueno penteado 7 de julho de 2018

    Beberrona. Motorzeco do passado. Xing Ling. Foi só uma maquiagem.

  • ralfo bolsonaro bueno penteado 7 de julho de 2018

    Só maquiagem. Beberrona com um motorzeco do passado. Xing Ling.

  • Pedro 5 de julho de 2018

    Acho que dois pequenos detalhes deixariam a LTZ ainda melhor: o adesivo preto que une a coluna das portas poderia se estender ao terceiro vidro, criando mais harmonia na área envidraçada. Além disso, a parte inferior dos para-choques poderiam ser pretos, pois isso horizontaliza o visual do carro, deixando mais elegante, e protege um pouco mais de pequenas batidas em calçadas mais altas, ao estacionar. Se eu fosse dono de uma, mandaria envelopar essas duas partes, pra finalizar o bom trabalho de maquiagem da feiura do modelo.

Deixe um comentário