Mitos e verdades sobre amortecedores: quando é preciso fazer a troca?

Essenciais para que o veículo tenha boa dirigibilidade. esses componentes geram muitas dúvidas entre os motoristas

Por AutoPapo 28/06/19 às 08h40

Componentes essenciais para a segurança veicular, os amortecedores têm a função de controlar a ação das molas na suspensão, evitando a oscilação excessiva do veículo e mantendo os pneus sempre em contato com o solo. Por isso, eles são decisivos para manter a estabilidade e a dirigibilidade do veículo em diferentes condições. Porém, o momento de realizar a troca desses itens ainda gera muitas dúvidas.

Com base em informações divulgadas pela fabricante de amortecedores Cofap e pelo engenheiro e jornalista Boris Feldman, o AutoPapo enumerou os principais mitos e verdades sobre essa autopeça. Fique atento para não colocar a segurança do seu carro em xeque. Confira:

amortecedor estrutural troca

1. Troca dos amortecedores por similares recondicionados não traz problemas: mito

Em tese, é perfeitamente possível recondicionar um amortecedor. Entretanto, esse procedimento é dispendioso e requer mão de obra especializada, o que geralmente acaba tornando-o financeiramente inviável. Assim, a grande maioria das peças vendidas como recondicionadas, na verdade, são simplesmente usadas. Após descartadas, elas recebem apenas uma pintura nova ou têm o óleo interno substituído.

Por isso, segundo a Cofap, os amortecedores não devem ser recondicionados: o correto é providenciar a troca por similares novos. Essas autopeças têm diversos componentes internos, sujeitos a desgastes por atrito. Até mesmo o óleo tem composição desenvolvida especificamente para essa finalidade. E a substituição desse fluido por outro fora dos parâmetros estabelecidos pelo fabricante não assegurará o correto funcionamento.

A Cofap acrescenta que componentes internos e o óleo não são encontrados livremente no mercado, o que é outro complicador para a realização de um recondicionamento correto. Vale lembrar que produtos com vida útil esgotada acabam colocando em risco a segurança dos ocupantes do veículo.

Boris Feldman fala mais sobre a troca dos amortecedores por similares recondicionados: 

2. Amortecedores recondicionados têm a mesma eficiência que os novos: mito

Se recondicionados corretamente, os amortecedores podem, sim, ser eficazes. Contudo, devido aos motivos citados acima, esses componentes normalmente estão sujeitos a apresentar grande perda de eficiência. Consequentemente, causam sérios problemas como perda de dirigibilidade e de estabilidade, principalmente nas curvas.

Também podem provocar desgaste prematuro dos pneus e de demais componentes do sistema de suspensão, como coxins e buchas. Há, ainda, o risco de travamento dos amortecedores, afetando perigosamente o controle do veículo.

3. Amortecedores ruins comprometem até a frenagem do veículo: verdade

Sim: em frenagens, o veículo precisa, além de bons pneus e de um sistema de freios em ordem, de amortecedores em plenas condições. Afinal, são esses componentes que asseguram o total contato dos pneumáticos com o solo.

O acionamento brusco dos freios provoca grande transferência de peso para o eixo dianteiro. Por isso, se houver algum problema no sistema de suspensão, o motorista pode até perder o controle da direção.

4. Amortecedor em mau estado pode provocar aquaplanagem: verdade

A redução do contato entre os pneus e o solo provocada pelo desgaste dos amortecedores pode potencializar a ocorrência de aquaplanagem. Comum em dias chuvosos, esse fenômeno ocorre quando uma lâmina de água sobre o asfalto provoca perda de aderência. Sem atrito com a pista, o motorista perde totalmente o controle sobre o veículo, o que pode gerar acidentes.

A aquaplanagem pode ocorrer até mesmo com veículos novos ou com a manutenção rigorosamente em dia, dependendo da situação. Porém, amortecedores em mau estado agravam severamente a situação: esse fenômeno poderá ocorrer em velocidades bem mais baixas.

5. Amortecedor precisa ter selo do Inmetro: verdade

As autopeças comercializadas no Brasil devem possuir o certificado do Inmetro, e isso inclui os amortecedores. O selo, que garante qualidade para o mercado reparador, é gravado no tubo externo dos amortecedores e na sua embalagem, de modo a ficar bem visível. Ele é obrigatório também em componentes importados.

O processo de certificação exige auditoria nas fábricas. Os amortecedores são testados em laboratórios credenciados segundo uma série de parâmetros técnicos determinados pelo próprio Inmetro. Se atendidos esses parâmetros, o certificado é concedido exclusivamente para cada fábrica e para os produtos ali manufaturados.

A certificação está sujeita, ainda, a um processo de manutenção anual. Ou seja, lotes aleatórios de componentes são submetidos a novos testes anualmente. Caso haja não-conformidades, o certificado é suspenso.

Cabe destacar que amortecedores recondicionados podem apresentar o selo do Inmetro referente ao fabricante original. Isso pode levar o consumidor a crer que aquela peça recondicionada é certificada, o que não é verdade.

6. Troca dos amortecedores deve ocorrer em quilometragens específicas: mito

Ao contrário de outros componentes automotivos, os amortecedores não têm vida útil pré-determinada. Eles podem precisar de substituição antes de 10 mil ou mais de 100 mil quilômetros, dependendo do caso. Isso porque a durabilidade deles está condicionada a uma série de fatores, entre os quais o tipo de utilização.

amortecedores recondicionado mecanico rodas suspensao shutterstock

Em veículos que circulam por estradas malconservadas, por exemplo, a troca dos amortecedores costuma ocorrer mais cedo. Por outro lado, a vida útil desses componentes tende a ser maior em carros que rodam por vias bem-pavimentadas. Todavia, não há regra para determinar a longevidade deles.

Por isso, o ideal é que os amortecedores sejam verificados periodicamente. Somente se for diagnosticada alguma avaria ou anormalidade por um profissional capacitado, deverá ser realizada a troca. Caso o motorista perceba anormalidades na dirigibilidade do veículo, convém antecipar a checagem desses itens.

7. Troca dos amortecedores deve ser feita sempre aos pares: verdade

A recomendação é que a substituição de amortecedores seja feita sempre aos pares, para cada eixo. Isso porque, se um amortecedor novo trabalhar em conjunto com outro usado (mesmo que ainda esteja em condições de uso) no mesmo eixo, poderá haver um desequilíbrio, prejudicando a dirigibilidade.

Entretanto, a troca dos dois amortecedores de um eixo não implica na substituição dos demais. Isso, claro, desde que os componentes do outro eixo ainda estejam em boas condições.

Avalie o conteúdo:
PéssimoRuimRegularBomExcelente (9 votos, média: 4,56 de 5)
Loading...
Clique na estrela para avaliar.
8 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Avatar
    silivo espindola 8 de julho de 2019

    sou advogado e fui comrador de auto peças 14 anos. a mondroe me ensino que amortecedores tem vida util independente de estadode conservação….então tudo ou quase tudo falou é mentira, outra coisa, num tem como recondicionar amortecedores não, como vai furar uma peça de ferro e depois soldar, tem alguns modelos dde amortecedores que usam até 150 itens, como pode serem trocados esses 150 item, onde vai encontrar fornecedores, tudo balela fala…

  • Avatar
    Leonardo Tadeu Monteiro 30 de junho de 2019

    Muito bom falar sobre esse assunto porque desejo trocá-lo

  • Avatar
    André Sá 29 de junho de 2019

    Pronto! Agora que o Bozo falou em tomada de 3 pinos, todo o gado agora só fala nisso! É muita ignorância! Os melhores do mundo vendidos legalmente no Brasil possuem sim o selo do Inmetro. Encha seu amortecedor de óleo e arrisque sua vida e a de inocentes por aí.

  • Avatar
    Alekssandro Melo 29 de junho de 2019

    Concordo. Plenamente em tricar os amortecedor mais os precos dos fabricantes sao abusivos.se vc tem uma frequência de troca maior com precos muito reduzido eu disse muito deduzidos todos trocariam por oecas Novas mas infelizmente os tributos sao altos para os fabricantes o que gera orecis absurdos para o consumidor final as vezes forcando casos de ter q comorar um recondicionado.gostei do seu oarecer marcos to com vc

  • Avatar
    Marcos Bara 29 de junho de 2019

    Quanta bobagem escrita junto meu Deus…selo Inmetro…os melhores do mundo, por exemplo, não tem a chancela deste órgão facista do ESTADO. So serve pra ferrar o povo mais ainda e arrecadar dinheiro para o funcionalismo, fazer mutreta, aprovar e regulamentar tomada de 3 pinos, etc. Jornalista, se liga e vai estudar antes de escrever.

    • Avatar
      Neno 29 de junho de 2019

      Marcos , você é um ignorante.

    • Avatar
      Rfthomsen 29 de junho de 2019

      Marcos, você tá por fora mesmo!

    • Avatar
      Rinaldo 29 de junho de 2019

      Vc é o gambiarrento …diante de um parecer técnico como esse vc ainda quer ter outras soluções? Pelo jeito quando baixa o óleo do motor do seu carro você coloca óleo de cozinha….kkkkk

Avatar
Deixe um comentário