Preço médio da gasolina cai 20% e ANP questiona falta de repasse

Apesar do valor do combustível ter diminuído de R$ 2,13 para R$ 1,6, nas refinarias, preço nas bombas só recuou R$ 0,04

Por AutoPapo28/11/18 às 10h53

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) solicitou, às principais empresas distribuidoras do país, esclarecimentos sobre os valores cobrados pelos combustíveis. Isso porque, apesar de ter havido redução significativa no preço médio da gasolina pela Petrobras, por exemplo, os postos não repassaram o reajuste do composto para o consumidor final.

As empresas têm um prazo máximo de 15 dias para justificar a queda de apenas R$ 0,04 nas bombas. De acordo com a pesquisa de preços divulgada pela ANP na semana passada, o valor médio da gasolina C, que estava em R$ 2,1381, no dia 18 de setembro, tinha se reduzido para R$ 1,6761.

O último acompanhamento da ANP, divulgado esta semana, indica ainda que embora o preço final da gasolina C tenha caído cerca de R$0,51 nos dois últimos meses, só cerca de R$0,26 foram repassados pelas distribuidoras.

O preço médio da gasolina praticado pela Petrobras nas refinarias acumula queda de quase 20% em novembro, enquanto nos postos a redução medida pela ANP foi de cerca de 3%.

Apesar do preço médio da gasolina ter caído nas refinarias, postos de combustíveis não têm vendido o composto por menor valor. ANP cobra esclarescimentos.
Apesar do preço médio da gasolina estar mais baixo, consumidor não recebe descontos | Shutterstock

O pedido de esclarecimento atende à atribuição legal da Agência de zelar pela proteção do consumidor quanto a preços, qualidade e oferta de produtos, prevista na Lei 9478/97 e na Resolução CNPE 4/2002.

Em nota, a ANP afirmou que tem adotado várias medidas para dar maior transparência à formação de preços e solicitado informações dos agentes periodicamente.

Levantamentos realizados pela Petrobras sugerem que os postos de combustíveis vêm aumentando sua margem de lucro. Atualmente, 16% do preço final corresponde aos custos e lucro dos distribuidores e postos. Em maio, essa fatia era de 12%.

Para entender melhor a formação do preço médio da gasolina e quanto do que pagamos pelo combustível é imposto, leia a matéria do AutoPapo.

1 Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Geraldo Domingues 28 de novembro de 2018

    Em relação as distribuidoras e postos de gasolina é simples e fácil: Ministério Público neles…

Deixe um comentário