Honda enfrenta problemas no motor do CR-V

Gasolina não queimada se mistura ao óleo do motor e pode danificá-lo - marca acabou de lançar novo modelo com este motor no Brasil

Por Boris Feldman09/10/18 às 15h58

A Honda está às voltas nos EUA com um grave problema no motor do CR-V, o 1.5 turbo, quatro cilindros, injeção direta. Usuários estranharam ao conferir o nível do óleo na vareta: ele aumentava! As concessionárias logo descobriram tratar-se de vapor de gasolina não queimado na câmara que descia pelas paredes do cilindros e chegava ao cárter, se misturando ao óleo do motor.

Gasolina não queimada se mistura ao óleo do motor do CR-V e pode danificá-lo - marca acabou de lançar novo modelo com este motor no Brasil.

Contaminado, ele perde suas características e a falta de lubrificação pode danificar componentes que se atritam. Em casos extremos, mas não impossível na prática, o virabrequim pode travar o motor e parar o carro subitamente. Outras peças que podem sofrer com a falta de lubrificação são bronzinas, buchas, pistões, anéis e cilindros

A Honda dos EUA detectou o problema no motor do CR-V em unidades produzidas em 2017 e 2018 e o atribui a uma falha no sistema de injeção de gasolina. Apesar de ter o mesmo 1.5 turbinado com injeção direta, o problema não foi observado no Civic, provavelmente pelas alterações sofridas para ganhar maior potência (190 cv) em relação ao que equipa o sedã (173cv). Motoristas reclamam também de um cheiro de gasolina nestes carros.

A Honda diz que a presença de gasolina no cárter só foi observada em regiões de temperaturas extremamente baixas (inferiores a -20ºC) pela dificuldade de aquecimento do motor. E mesmo assim, diz ela, só no caso do carro rodar trechos curtos e intermitentes.

(N.R. – A rigor, sempre existe uma pequena passagem dos vapores de gasolina não queimados para o cárter que são, entretanto, queimados pelas elevadas temperaturas do óleo, geralmente acima de 100 ºC. A contaminação só ocorre quando o motor funciona apenas alguns minutos ou quilômetros e o carro é estacionado durante horas).

A revista norte-americana Consumer’s Report contesta a Honda e diz ter registrado reclamações de usuários em estados em que não se observam temperaturas tão baixas, Texas e New Mexico, entre eles.

O NHTSA (órgão de segurança veicular dos EUA) está questionando a fábrica a respeito da possibilidade de se fazer um recall para reparar o motor do CR-V, pois os carros envolvidos podem perder potência ou mesmo parar na estrada devido à falta de lubrificação do motor. A Honda pediu prazo até novembro para solucionar o problema.

Por enquanto, as concessionárias da marca estão adotando uma solução “quebra-galho”: ao perceber o óleo contaminado, elas o esgotam do cárter e colocam um novo. Um paliativo, pois ele voltará a se contaminar até que o problema da injeção seja resolvido.

Imprensa dos EUA descobriu também que a Honda realizou um recall na China para resolver problema semelhante em Civic’s e CR-V’s.

Mercado brasileiro

No Brasil, a marca acabou de lançar o novo CR-V equipado com este motor de 190 cv. Em comunicado, a Honda declarou: “As investigações estão em andamento nos países onde foram identificados casos do problema. No Brasil, a Honda Automóveis não identificou, até o momento, qualquer ocorrência nos modelos com essa motorização comercializados no país.”

Este motor 1.5 turbo também equipa o sedã Civic, mas em uma versão com 173 cv de potência. Não houve relatos de problemas neste modelo nos EUA.

Fotos Honda | Divulgação

*Publicada originalmente em 8 de outubro de 2018 às 22:16. Atualizada em 9 de outubro de 2018 às 15h58

9 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Zemari 11 de outubro de 2018

    Enquanto vcs amam os seus carros Honda, Têm muitas pessoas que não tem nenhuma bicicleta pra andar, e muitas delas nem comida na mesa. Não tem uma vida digna,e vcs perdem tempo em dicutir sobre carros, o pior investimento que existe. Em vista em Almas ajude a matar a fome de alguém. Jesus abençoe vcs.

  • marcus 11 de outubro de 2018

    A famosa qualidade Nipônica em cheque.
    Nós ainda temos acesso a informações de qualidade.
    E os compradores que não tem?
    Essa pessoa desinformada, será vitima da Honda, quando motor do seu carro fundir com baixa quilometragem, a Honda vai alegar que o usuário foi descuidado com as trocas de oleo ou que levou o carro muito além dos limites do projeto.
    Resultado, se for consertar na concessionária ou no mecanico particular, vai pagar pelas peças um valor altissimo, talvez o mais caro do Brasil.

  • alexandro 10 de outubro de 2018

    será q a gasosa brasileira, pode piorar este problema?

  • Fabio 10 de outubro de 2018

    Comprei esse novo CRV 2018 e estou com ele faz tres meses
    Ja andei 3.000 kms e ate o momento nao identifiquei nenhum problema, pelo contrario, estou amando o carro.

    • Zemari 11 de outubro de 2018

      Enquanto vcs amam os seus carros Honda, Têm muitas pessoas que não tem nenhuma bicicleta pra andar, e muitas delas nem comida na mesa. Não tem uma vida digna,e vcs perdem tempo em dicutir sobre carros, o pior investimento que existe. Em vista em Almas ajude a matar a fome de alguém. Jesus abençoe vcs.

  • Francisco Feitosa 10 de outubro de 2018

    Pode a junta do cabeçote de má qualidade

  • Fernando 8 de outubro de 2018

    Empresas se lixam pros consumidores tupiniquins

  • João Batista 8 de outubro de 2018

    Quero acreditar que a Honda nao deixará seu consumidor sem resposta, sobre esse problema de gasolina mistura no óleo do motor. Amo Honda Civic e CR V.

    • Francisco Feitosa 10 de outubro de 2018

      Pode ser a junta do cabeçote de má qualidade

Deixe um comentário