[Vídeo] Testamos o Jeep Compass Limited Diesel 4×4

O Jeep Compass terminou 2017 como o utilitário esportivo (SUV) mais vendido no Brasil. Testamos a versão Limited Diesel do modelo. Confira!

Por Felipe Boutros05/02/18 às 16h32

O Jeep Compass terminou 2017 como o utilitário esportivo (SUV) mais vendido no Brasil. Vendeu mais, inclusive, que modelos mais baratos. Ele tem atributos para ostentar o título de campeão da categoria?

O AutoPapo avaliou a versão Limited, equipada com motor diesel 2.0 Multijet de 170 cv de potência e 35,7 kgfm de torque. O câmbio é automático de nove marchas.

O modelo agrada pelo desempenho, pelo bom acabamento e o espaço interno. Ele tem preço inicial de R$ 164.490. Com opcionais, como a unidade avaliada, chega a R$ 187.380! Caro, mas bem equipado. São diversos itens de conveniência, como sistema de som Beats com subwoofer, teto solar panorâmico, ajuste elétrico para o banco do motorista, entre outros.

Entre os itens de segurança, de série, o Compass tem sete airbags, controles de estabilidade e tração e controle eletrônico anticapotamento. Opcionalmente, ele ainda pode receber o controle de cruzeiro adaptativo, aviso de mudança de faixas, sistema de farol alto com comutação automática e aviso de colisão frontal. (FCW).

Quer saber mais? Veja a avaliação no vídeo abaixo:

[TRANSCRIÇÃO]

O Jeep Compass foi o SUV mais vendido no Brasil no ano passado, superando, inclusive, concorrentes bem mais baratos – a versão de entrada, por exemplo, custa mais de R$ 100 mil, mas, mesmo assim, ele cativou os consumidores. Vamos ver o que ele tem segredo?

A primeira coisa que chama atenção no Compass é o visual, claro! Isso é o que cativa o consumidor de cara. Aquela coisa parruda, bem Jeep assim… A grade tradicional com sete fendas, o para-lama arqueado. Aquela coisa bem clássica, bem presente assim… Bem marcante.

Outra coisa muito agradável no Compass é o acabamento. Ele tem um material emborrachado aqui no painel e volante revestido em couro. Na porta, assim, a maioria dos carros, não têm mais tudo revestido, mas até onde é plástico aqui na porta do Compras é o mesmo material do painel: emborrachado.

O espaço interno do Compass é muito bom: ele leva confortavelmente quatro adultos; dois vão atrás tranquilamente com bom espaço para as pernas. O terceiro ocupante sempre sofre um pouco né, pelo túnel central por causa do cardã, já que é uma versão 4×4.

A versão que a gente está avaliando, a Limited, ela vem bem já recheada; bastante equipamento de série. Essa unidade ainda tem um pacote de opcionais, então você tem tudo o que você imaginar aqui: ele tem controle de assistência para permanência em faixa, tem controle de
cruzeiro adaptativo, que regula mantém a distância com o veículo da frente, mesmo que ele esteja mais lento.

Também tem o sistema “Uconnect”, que pareia com tanto Android quanto o iPhone pelo Apple CarPlay e o Android pelo Android Auto. O painel é bem completo, o computador de bordo tem muitas informações, inclusive, temperatura do óleo da transmissão, voltagem da bateria… É um
negócio bem completo.

O porta malas tem 410 litros de capacidade, que não é nada assim excepcional. Tem sedã com porta-malas maior, mas é espaçoso. Ele ainda tem um dispositivo que abre e fecha a tampa automaticamente por meio de um botão. Isso é bom, principalmente pra condutor mais baixo. A tampa é alta e meio pesada, então facilita a vida a bordo.

Essa versão que a gente está testando é equipada com motor diesel 2.0 multijet. Ele é turbo e tem 170 cavalos e 35,7 kgfm de torque. O Compass pesa quase duas toneladas e mesmo assim ele vai bem com esse motor.

Mesmo sendo um motor diesel, vibração nenhuma, assim, a vibração praticamente não invade a cabine, é muito bem isolado. Quando você acelera  fundo, você escuta o “assobiozinho” da turbina, aquele barulho tipo de motor diesel. Não é nada que incomoda, eu, particularmente, até acho legal, acho que dá uma característica própria pro carro.

O motor turbodiesel trabalha com o câmbio automático de 9 velocidades. Ele coloca sempre o motor pra trabalhar em rotações mais baixas, o que não é problema, porque a característica desse motor é ter esse toque, essa força em baixa, então ele está sempre com força, assim, as retomadas são feitas muito rapidamente. As trocas de marcha são suaves e imperceptíveis. Pouquíssimas vezes você nota quando a mudança está acontecendo.

A maioria das pessoas que compram SUV hoje, dificilmente vão colocar ele pra fazer trilha. Mesmo assim, o Compass tem tração 4×4 com  possibilidade de ser permanente, reduzida e há possibilidade ainda de bloquear o diferencial, o que dá muita capacidade off-road pra ele. O que joga contra, no caso, é que ele está com opcional de uma roda de 19 polegadas e um pneu com perfil mais baixo. Certamente não colabora para uma aventura off-road.

O Compass justifica a liderança na categoria? Eu acho que justifica, pelos atributos todos que a gente falou. Justifica uma versão diesel? Bom… Depende. São cerca de R$ 30 mil de diferença em relação ao equivalente a este aqui a gasolina.

Você tem mais força, tem uma dirigibilidade mais agradável, mas você está pensando pelo lado da economia pelo fato de o diesel ser mais barato, é muito provável que você tá fazendo conta errada.

Avaliamos o Jeep Compass Limited Diesel 4x4


VEÍCULOS RELACIONADOS

2 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • jonny charles 6 de Fevereiro de 2018

    Ja tive renegade diesel e agora um corolla 2018 gli 1.8, sinceramente, o corolla bebe muito é ilusão, tem que andar com ele sem acelerar só deixando a luz do eco acessa e assim mesmo bebe, se quiser economia com ocorolla tem que andar atrapalhando outros no transito, e se pisar na gasolina é 7,5, se eu andasse com o rebegade na mesma velocidade que ando com o corolla em questao de valores cada 200,00 de gasolina eu gastaria no maximo 120,00 de diesel para rodar a mesma distancia, ou seja COROLLA é papo furado, midia, agora pra quem roda pouco tanto faz a diferença de consumo, mas estou deixando apenas minha opiniao, não sou fã de nenhuma marca de carro, mas fica ai o registro corolla é quase um lixo e eu posso provar.

  • Sigma7 6 de Fevereiro de 2018

    1 Compass sem acessórios adicionais ou 2 Sentra (custa R$ 82.900)? 1 Compass todo equipado ou 2 Corollas GLI? Pois é, que valor absurdo cobrado pela Jeep. Okay, o motor é diesel, mas o público que compra isso está fora da realidade. Vai ficar só um pouquinho mais alto e em termos de consumo o Corolla vence. Prefiro o clássico automóvel, pois além desse valor de compra ainda tem as futuras manutenções. Que tal pesquisar a troca desses perfis de pneu aro 19? Depois a gente continuar a conver$a kkk

Deixe um comentário