Tiggo 5X e Arrizo 5: impressões sobre os novos carros da Caoa Chery

Lançamentos do utilitário esportivo e do sedã são parte do plano de expansão da marca no mercado brasileiro; ela quer vender 38 mil carros em 2019

Por Paulo Eduardo13/12/18 às 13h05
De Anápolis (GO), especial para o AutoPapo

Representantes da Caoa Chery estão otimistas com a ascensão da marca no Brasil. Motivos são o início das vendas do sedã Arrizo 5 em novembro, e a chegada do SUV Tiggo 5X na rede na segunda quinzena deste mês. Em janeiro, o Tiggo 7, modelo com porta-malas maior em relação ao Tiggo 5X, aumentará a oferta. A melhoria na qualidade desses modelos faz os chineses acreditarem na conquista do público cativo do mundo do automóvel no Brasil. Querem dar fim à fama de carro malfeito.

Expandir a rede para ampliar pós-venda e ter 119 concessionárias é outro objetivo. Assim como baixar preço do seguro e garantia na reposição de peças são importantes na busca do sucesso. Garantem que não faltará peça. A pretensão é vender 38 mil unidades em 2019 contra cerca de 10 mil este ano. Em 2017, as vendas foram de 3,7 mil unidades. Participação de mercado da Chery deverá atingir 0,55% em 2018.

Caoa Chery Tiggo 5X: novo SUV da marca
Caoa Chery Tiggo 5X: novo SUV da marca

Entretanto, os preços do Tiggo 5X estão elevados mesmo levando-se em consideração os muitos itens de conforto, conveniência e segurança. A carroceria do Tiggo 5X usa aços de alta resistência em mais de 2/3 da carroceria. O Arrizo 5 cobra menos, mas airbag lateral somente na versão topo. Para comprovar a segurança das carrocerias é preciso passar pelo teste de impacto do Latin NCAP.

Caoa Chery Arrizo 5: sedã tem motor 1.5 turbo

Impressões: Arrizo 5

O Arrizo 5 (pronuncia-se Arizo, como se grafia tivesse apenas um R) tem linhas proporcionais e agradáveis. Folgas são uniformes entre carroceria e partes móveis. O sedã de 4,53 metros de comprimento tem acabamento pouco convincente no interior com plástico duro nas portas e painel central. Pontas de parafuso estão aparentes na fixação da porta com a coluna nos dois carros.

A ligeira queda do teto a partir da coluna B (central) dá esportividade ao Arrizo 5, mas ocupantes do banco traseiro precisam abaixar a cabeça para entrar. Assentos curtos não apoiam totalmente as pernas. Demos uma volta somente na pista de testes da marca em Anápolis (GO), na versão RXT, a topo de linha. No circuito foi possível acelerar, frear, e fazer curva. Passou muito rápido a única volta.

Motor 1.5 turbo flex de quatro cilindros do Arrizo 5 forma par com câmbio CVT. O torque de apenas 19,4 kgfm está no limite do que permite o câmbio. Desempenho é compatível com sedã familiar e o câmbio CVT demora um pouco a reagir, como sempre, com pressão total no acelerador. Direção tem assistência elétrica e boa sensibilidade. Freios a disco nas quatro rodas estavam muxibentos e frente abaixa na freada a 100 km/h. Suspensão confortável. No geral, o comportamento dinâmico do Arrizo 5 foi bom, mas é preciso dirigir por mais tempo para poder avaliar o carro.

Impressões: Tiggo 5X

Enquanto no Tiggo 5X percebe-se logo a diferença no acabamento interno com aparência bem melhor, apesar de os plásticos serem duros também. O motor é o mesmo 1.5 turbo, de mesma potência que o Arrizo, mas com mais dois kgfm de torque a mais. A diferença no desempenho se deve às trocas imediatas do câmbio automatizado de duas embreagens. É outro desempenho. Linhas harmônicas e montagem correta com folgas uniformes das partes móveis em relação carroceria. O SUV tem cerca de 20 centímetros a menos de comprimento em relação ao sedã.

Suspensão multibraços na traseira proporciona conforto mesmo em piso propositalmente irregular na pista de teste. A direção é firme, mas a altura do solo (15 cm) faz a carroceria inclinar sem exageros nas curvas. Assentos são também curtos. Porém, a versão TXS do Tiggo 5X tem regulagem lombar, que mantém a postura correta e minimiza cansaço.

Freios do Tiggo 5X foram bem mais eficientes e frente abaixou pouco na simulação de parada brusca. Nos dois modelos, a coluna de direção tem somente regulagem de altura. Para a versão do Tiggo 5X que custa quase R$ 100 mil é economia de palito. Nestas faixas de preço, a coluna tem que ser regulável também em distância.

Fotos Caoa Chery | Divulgação

0 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Deixe um comentário