Vagalume em abstinência

Por Sérgio Melo 05/04/17 às 14h54

A maior novidade da linha 2018 do Fiat Mobi é o câmbio automatizado Gear Smart Drive. Apesar do nome pomposo, a transmissão não passa de um aperfeiçoamento da antiga Dualogic – agora, mais suave e inteligente. O sistema está mais firme, mais, digamos, decidido. A antiga sensação de que o tempo parava e se passavam séculos entre o momento em que você pisava fundo até a hora em que o veículo começava a acelerar melhorou muito. O casamento com o motor Firefly três cilindros, que equipa a versão Drive, deu muito certo. De acordo com as aferições do Conpet, programa brasileiro de etiquetagem veicular, o modelo é o 1.0 mais econômico do país.

Automatizado versus automático

Claro que uma transmissão automatizada jamais será tão agradável quanto um câmbio automático convencional. Na automática, todas as marchas ficam constantemente engrenadas e a utilização de cada uma delas só depende do rápido acionamento de embreagens – mesmo enquanto o motor está sendo acelerado, sem soluços ou interrupção de força.

No automatizado com uma única embreagem, as coisas funcionam de maneira bem diferente. Como o engrenamento se dá uma marcha por vez, nas reduções é necessário parar de acelerar, desacoplar a marcha em uso, acoplar a próxima marcha e só então voltar a acelerar. Justamente quando o motorista pisa fundo o sistema “rouba” o pedal de aceleração, muda as marchas e só depois permite que o condutor acelere novamente. Em certas situações, além de desconforto, gera bastante insegurança.

E as vantagens?

O conjunto carcaça/engrenagens é o mesmo do sistema manual. O resultado, claro, é uma construção muito mais barata e uma manutenção mais fácil do que a das transmissões automáticas convencionais. Desde que esse ganho econômico seja repassado para o mercado, tudo bem. Mesmo com os inconvenientes citados é bem melhor do que ficar apertando o pedal da embreagem e mudando marchas o dia inteiro.

Caso o condutor dê uma aliviada no acelerador antes das mudanças e force reduções ao pisar firme, antes de subidas e ultrapassagens, o desempenho da transmissão melhora consideravelmente. Os mais exigentes podem ainda fazer trocas manuais por meio das borboletas no volante.

Ficou salgado

Por fim, o grande problema do Mobi Drive automatizado não é a transmissão, mas sim o preço. Equipado com o câmbio GSR – e contando com uma nova telinha no painel – o preço do subcompacto saltou para R$ 44.780, cerca de R$ 4 mil a mais que a versão manual. Apesar de toda a conveniência, pagar tanto em um veículo que sequer é automático de fato é demais. O preço é muito salgado para o que é oferecido; para derrubar qualquer hipertenso.

Avalie o conteúdo:
PéssimoRuimRegularBomExcelente (Seja o primeiro a avaliar)
loadingLoading...
Clique na estrela para avaliar.
0 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Deixe um comentário