Viagem? Saudades do arame e da lixa de unha

É inquestionável que a eletrônica aumentou a confiabilidade do carro. Mas, no caso de ocorrer uma pane na estrada…

Por Boris Feldman23/12/18 às 10h30

Quando chegam as férias e se planeja a viagem de carro com a família,  dá saudade do tempo em que se abria o capô e estava tudo ali à vista: distribuidor, bomba de gasolina, correia do alternador, bobina, cabos de vela, bateria (com tampinhas para “completar o nível”, carburador com parafusos de regulagem e outros, todos decorando hoje prateleiras dos museus.

Quando se abre a tampa do capô, depara-se hoje com uma enorme tampa de plástico preto cobrindo quase tudo. Aliás, boa parte dos componentes de outrora nem existe mais, eliminados pela eletrônica, que domina cada pedacinho do automóvel. Acesso hoje é limitado aos reservatórios de fluidos e óleos. E, as vezes, à correia do alternador/ar condicionado/bomba d’água. E aos polos da bateria.

Até uns tempos atrás, recomendava-se – antes de iniciar a viagem – uma lista de peças no porta-malas para a eventualidade (nem tão eventual assim…) de pane elétrica ou mecânica. Eram platinados, condensadores, velas, lâmpadas, fusíveis, lixa de unha, araldite, arame…

Hoje, problema na estrada é fácil de se resolver desde que se tenha um (baita) computador no porta-malas para o diagnóstico ou um celular para chamar o reboque. Mas, verdade seja dita: por mais que os apaixonados fiquem aborrecidos, o fato é que os automóveis modernos dificilmente ficam parados pelo caminho, até porque foram eliminadas as principais fontes de problemas. Os que manjavam de mecânica quebravam o galho de alguma forma.  Os meros mortais perdiam um tempão e grana para rebocar o carro, mas  foram salvos pela eletrônica:  hoje não tem mais distribuidor, nem carburador… nem onde usar a lixa de unha. Que entrava em ação quando o carro parava na estrada com o platinado corroído nas superfícies que (deveriam ser) mas não eram de platina…

É inquestionável que a eletrônica aumentou a confiabilidade do carro. Mas, no caso de ocorrer uma pane durante a viagem, só resta esperar pelo guincho

A modernidade do automóvel modernizou também a listinha de apetrechos essenciais para se levar numa viagem. A começar da chave reserva: no passado, qualquer chaveco da esquina resolvia o problema da chave perdida ou quebrada. Hoje, com chip embutido, ela é muito mais problemática pois se desconfigura num tombo ou próxima a um campo magnético. E, longe de casa, sua reprodução pode custar uma nota. Motor queima óleo como antes, mas bem menos. Porém, continua valendo a pena levar no porta-malas o óleo do cárter, que nem sempre se encontra na estrada. A diferença: antes era numa lata, hoje é num frasco de plástico.

O pneu murchou sem maiores explicações? A solução prática se chamava Tyre Pando. Hoje virou “Reparador Instantâneo de Pneus” e continua sendo o mesmo tubinho de spray que enche parcialmente o pneu e ainda tampa o furo. Um belo quebra-galho (no passado e no presente) até se chegar ao borracheiro. Entretanto, quando o estrago é maior, só o trocando pelo sobressalente. E pneu continua não sabendo se é dia ou noite e o motorista pode se ver em apuros quando não tiver sequer um céu enluarado para amenizar a escuridão. Porém, a lanterna de mão já não faz tanta falta: entre as vantagens dos tempos modernos, quase todos os celulares contam com um facho de luz.

Finalmente, é inquestionável que a eletrônica aumentou a confiabilidade do carro. Se você botar o pé na estrada com toda a família mais bagagem,  sem  nenhum apoio emergencial no porta-malas, a chance de chegar ao destino sem nenhum problema é enorme. Com a diferença de que, antes, um platinado queimado se resolvia com a lixa de unha. Hoje não tem mais distribuidor nem platinado, mas qualquer problema no sistema eletrônico exige um computador para resolver. E este, só depois de algumas horas de espera no acostamento pelo reboque e uma não programada viagem até a concessionária ou oficina computadorizada mais próxima…

Foto Shutterstock

SOBRE
3 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Celio* 23 de dezembro de 2018

    É verdade tudo o que foi dito e a única vantagem “dos tempos de antigamente”, era que se o carro quebrasse, sempre surgia do nada alguém para ajudar e hoje, infelizmente, para assaltar.

  • Edson 24 de dezembro de 2018

    Não e bem assim somente com computador para resolver o defeito. Logico que o scanner e uma ferramenta que auxilia para a identificação mais rápido do defeito, porém com conhecimento e um bom multímetro também conseguimos diagnóstico.

  • RONALDO CAMPOS GABINA 25 de dezembro de 2018

    De fato, hoje os carros são muito mais confiáveis, mas…muito menos apaixonantes que antes. Eu sou daqueles ainda gostam cambio manual, tração traseira, 4×4 e diesel…Feliz Ano Novo a todos!

Deixe um comentário