[Vídeo] Há 50 anos, Dodge Dart era lançado no Brasil

Boris Feldman comemora o aniversário do icônico modelo apresentando um exemplar da primeira série, 100% original

Por Alexandre Carneiro 18/12/19 às 19h20

Em 2019, um dos automóveis mais icônicos da indústria nacional completa exatos 50 anos de existência: o Dodge Dart. Lançado em setembro de 1969, já como modelo 1970, o modelo tornou-se o principal produto da Chrysler no país.

Um dos pontos altos era o design, moderno para os padrões da época, mas sem abrir mão da sobriedade. Outro atributo era o motor V8: com 5.2012 cm³ de cilindrada, é até hoje a maior unidade movida a gasolina já produzida no Brasil. Com 198 cv de potência (bruta) a 4.400 rpm e 41,5 kgfm de torque (bruto) a 2.400 rpm. O câmbio era manual de três marchas, posicionado na coluna de direção.

O motor V8 logo colocou o Dodge Dart no rol dos carros mais rápidos do Brasil. O fabricante, inclusive, dava destaque ao desempenho nas campanhas publicitárias, comparando o modelo a veículos importados.

Linha completa

Inicialmente, o Dodge Dart foi comercializado unicamente com carroceria sedã. Mas já ma linha 1971 chegava a o modelo cupê, com capota mais baixa, vidro traseiro mais inclinado e sem as colunas centrais.

Naquele ano, chegou também o Dodge Charger: tratava-se de uma variação do Dart Cupê, mas com elementos próprios de design, como faróis duplos posicionados atrás da grade frontal e faixas pretas sobre a pintura. A versão top de linha R/T – havia também a LS, mais simples – tinha câmbio de quatro marchas no console central e 215 cv de potência bruta, graças à adoção de uma taxa de compressão mais alta e de um escapamento com duas saídas.

dodge dart

A estratégia de adotar elementos de design distintos para criar novos produtos foi, inclusive, bastante utilizada pela Chrysler. Vários modelos, entre os quais Grand Sedan, Grand Coupé, Magnum e LeBaron eram variações criadas a partir das carrocerias do Dart. Eles também se diferenciavam pelos padrões de acabamento e pelo nível de equipamentos.

Crise do petróleo mata o Dodge Dart

Apesar dos bons atributos, a linha Dodge equipada com motor V8 acabou sofrendo um grave revés em meados da década de 1970: a crise do petróleo. Altas seguidas e acentuadas nos preços dos combustíveis provocaram uma abrupta queda nas vendas de carros com motores grandes, com seis ou oito cilindros.

Em dificuldades no mundo todo, a Chrysler vendeu suas operações brasileiras para a Volkswagen em 1979. A multinacional manteve a marca Dodge no país somente até 1981, quanto o último Dart saiu das linhas de montagem.

Os modelos da marca sofreram acentuada desvalorização nos anos seguintes, mas voltaram a ser desejados, já antigos, na vidada do século. Hoje, os exemplares sobreviventes são verdadeiras preciosidades, disputadas por colecionadores e entusiastas.

3 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Avatar
    Marcos 19 de dezembro de 2019

    Ícone aqui, carro popular lá. Lançado aqui quando ninguém queria o modelo lá. Mas o lixo Americano sempre foi nosso luxo, nesta terra sofrida onde imperam carroças até hoje é quase nada feito aqui presta.

    • Avatar
      Sergio Roberto Feliciano 23 de dezembro de 2019

      Concordo. Foi assim com o galaxie, luxo aqui e carro de polícia por lá.

    • Avatar
      lpm 24 de dezembro de 2019

      Ta visto que vc nunca andou dodge!

Avatar
Deixe um comentário