Carro elétrico no Brasil: empecilhos que o afasta das garagens brasileiras

Mesmo que o governo brasileiro tenha reduzido os impostos, ainda não há um incentivo financeiro para o consumidor ter um elétrico

Por BORIS FELDMAN26/11/18 às 19h30

Carro elétrico no Brasil não tem vida fácil. Apesar de serem uma tendência mundial, dois grandes problemas dificultam a sua popularização no país.

[TRANSCRIÇÃO]

Quem foi a este último Salão do Automóvel em São Paulo, ou acompanhou pela imprensa, deve ter percebido a quantidade de carros elétricos – presença quase obrigatória em quase todos os estandes. Alguns deles até com preços já anunciados para o nosso mercado.

Mas ainda existem pelo menos duas grandes barreiras para que eles cheguem na garagem do brasileiro. E a primeira é o preço: eles custam praticamente o dobro de um carro similar, com motor a combustão. Isso porque o governo acabou de reduzir os seus impostos, mas ainda nem se pensam em incentivo financeiro para o seu consumidor, como em alguns outros países.

O segundo empecilho é a falta de infraestrutura para a sua recarga. Eles já tiveram sua autonomia aumentada para cerca de 300 quilômetros. Mas só dá para viajar com eles na Dutra, estrada que liga o Rio a São Paulo, única onde existem pontos para a recarga das baterias.

Carro elétrico no Brasil

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman

1 Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ulisses 2 de dezembro de 2018

    O narrador foi generoso. Um carro elétrico custa até 3x o valor de um carro à combustão equivalente, como é o caso do Zoe, que custa 150 mil , tem 88cv e autonomia de 300km. Ainda é melhor comprar um Sandero, pra continuar na Renault. Ou um Onix, popular mais vendido.

Deixe um comentário