Carros recém-lançados dão mais defeitos que modelos menos recentes?

Diz a lenda que devemos evitar de comprar modelos recém-lançados, porque estão mais sujeitos a dar defeito. Mas será que é verdade?

Por BORIS FELDMAN17/11/18 às 19h30

Diz a lenda que devemos evitar de comprar carros recém-lançados, porque estão mais sujeitos a dar defeito. Mas será que é verdade?

[TRANSCRIÇÃO]

Há quem diga que jamais compra um carro recém-lançado até que ele já tenha, pelo menos, um ano de fabricação e eventuais problemas corrigidos. Faz sentido essa desconfiança? A rigor, tem sim. É lógico que as fábricas e as concessionárias juram de pé junto que não tem nada a ver, que quando o carro é lançado ele já foi exaustivamente testado e isento de qualquer problema.

Mas, na verdade, ainda que protótipos de carros de teste tenham rodado milhões de quilômetros, algum probleminha pode sempre acontecer. E eu vou dar aqui um exemplo: muitas das peças utilizadas para montar esses carros de teste foram produzidas pelos fornecedores da fábrica em pequenas quantidades, mas quando a produção do carro tem início, elas são produzidas aos milhares por dia, o que pode causar problema no início da fabricação de um modelo.

carros recém lançados

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman

1 Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Marcos Jr 19 de novembro de 2018

    Igual aconteceu com os Neobus Mega BRT aqui em Curitiba. Lançado em 2011, veio em torno de 300 a 400 unidades dessa carroceria no mesmo ano. Todas tem algum problema de peça solta ou infiltração. Enquanto isso os Marcopolo da mesma época não apresentam (tantos) problemas.

Deixe um comentário