Custos escondidos em um carro novo: saiba fazer essa conta

Conheça algumas das armadilhas financeiras de um veículo zero quilômetro para não gastar mais do que gostaria!

Por Boris Feldman29/04/18 às 09h00

O casal fez as contas e decidiu comprar um carro zero quilômetro no valor de R$ 40 mil. O usado entrou no negócio como entrada e o resto dividido em 36 suaves prestações mensais. O que acelerou a decisão foram as despesas do carro usado: com quase 100 mil quilômetros, as contas da oficina vinham cada vez maiores. Mas será que consideraram os custos escondidos em um carro novo?

LEIA MAIS:

Somados os salários do casal, a prestação representava cerca de 1/3 do que ganhavam. Pelas contas, daria para viver dignamente com o resto, desde que cortando algumas despesas não fundamentais, até liquidar a dívida.

Outro argumento é de que, pelo carro ser novo e estar na garantia, dificilmente suas despesas iriam além do combustível e uma eventual troca de óleo.

Aí é que a porca torce o rabo e se explica o porquê de tanta inadimplência no financiamento do carro zero quilômetros: ninguém se lembra de somar, na ponta do lápis, todas as despesas mensais e anuais para a manutenção do carro, mesmo o novo.

Pois tem o IPVA, o DPVAT, a taxa de licenciamento e o seguro total. E várias outras, mensais ou esporádicas: combustível, estacionamento, revisões obrigatórias, pneus, bateria, troca de óleo, lavagem e outras.

Tudo somado, o casal pagaria cerca de R$ 1.000 mensais só de custos escondidos em um carro novo, fora a prestação que é outro tanto.

carro novo carro zero concessionaria comprar vender custos escondidos em um carro novo

Nestas contas, não se considerou a desvalorização do carro, ou seja, quanto deverá ser complementado dentro de dois ou três anos para trocá-lo por outro zero quilômetro. A menos que se pretenda (pouco provável) permanecer com ele pelo resto da vida.

Se as contas ficaram apertadas, na hora em que o casal ainda tivesse que enfrentar um imprevisto financeiro (uma gravidez, por exemplo, não estava na previsão), a grana não daria, no final do mês, para pagar a prestação.

Sempre se tenta uma renegociação da dívida, mas meses depois as contas se enroscam outra vez. E, na terceira prestação atrasada, lá vem o oficial de justiça bater à porta e pedir o carro de volta.

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman
0 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Deixe um comentário