Pneus: “segunda linha” de grandes marcas são boa opção

Remoldados e pneus sem procedência, por sua vez, representam perigo para o motorista e passageiros

Por BORIS FELDMAN13/03/18 às 16h03

Poucos sabem, mas as fábricas de pneus sempre produzem, além de sua marca principal, outras consideradas de “segunda linha”. São marcas pouco divulgadas, mas comercializadas normalmente no mercado. Se o vendedor oferece um pneu mais barato, de marca desconhecida, mas garante – e prova de algum jeito – que foi produzido por uma empresa famosa e internacional, pode acreditar nele, não se trata de picaretagem…

Como explicar estas marcas secundárias? É uma briga de preço das grandes empresas entre si ou delas contra as marcas de segundo escalão, contrabando, ou remoldados. E como fica a qualidade? Se os pneus são fabricados por empresas tradicionais como Firestone, Goodyear, Pirelli, Continental ou Michelin, não há motivo para receio.

Boris explica quais são as boas e as más opções quando o assunto é pneus mais baratos. "Segunda linha" de grandes marcas são confiáveis. Já os remoldados...

E dá para explicar o preço reduzido: primeiro porque não há despesa com propaganda, promoções ou ações de marketing. Há casos de fábricas conceituadas e tradicionais que fornecem pneus de “segunda linha”, com outra marca, para grandes redes de super mercados ou atacadistas.

Segundo: fábrica e lojas reduzem margens de lucro no esforço de “brigarem” na faixa inferior do mercado.

Terceiro: a qualidade é a mesma mas a durabilidade pode ser reduzida: se o pneu da marca principal roda 50 mil km ou mais, o da secundária pode ficar pelos 40 mil km. Dentro da ideia de que “paga menos, leva menos”.

Mas o preço barato pode também representar perigo de qualidade e ameaçar a segurança veicular. Há pneus que comprovadamente entram como contrabando no Brasil. Marcas em geral asiáticas reprovadas pelas montadoras. Embora existam pneus japoneses, coreanos e chineses de excelente qualidade, vários aplicados em linhas de montagem de grandes fabricantes de automóveis, como Hankook, Khumo, Maxxis e outros.

Boris explica quais são as boas e as más opções quando o assunto é pneus mais baratos. "Segunda linha" de grandes marcas são confiáveis. Já os remoldados...

Outro pneu de preço baixo mas de qualidade duvidosa é o remoldado. Ele é produzido sobre uma velha carcaça que pode ou não estar em bom estado. Podem também dois remoldados de mesma medida terem sido fabricados sobre carcaças que se destinavam, originalmente, a veículos completamente distintos: um projetado para um esportivo, outro adequado para uma peruinha de cachorro quente (ou “food-truck”). Neste caso, a reação de ambos no momento de uma freada ou curva apertada será completamente diferente. É aí que mora o perigo.

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman

1 Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • gabriel 3 de maio de 2018

    Hoje em dia a produção de pneus trabalha com tolerâncias muito apertadas, o que gera muitas unidades rejeitadas por não atender esses requisitos. Essas marcas secundárias servem para reduzir o prejuízo, passando as carcaças novas rejeitadas com tolerâncias maiores, por um preço ligeiramente menor; sendo que no brasil as marcas secundárias chegaram com o preço dos pneus de primeira linha, e os pneus de primeira linha se tornaram produtos premium. Particularmente, só compro pneus de segunda linha se eles tiverem o mesmo preço dos pneus chineses. Se não, compro pneus remoldados a quente (aqueles de marca própria, com nomes esquisitos), por um preço muito menor.

Deixe um comentário