Bafômetros passivos: novos aparelhos detectam embriaguez pela respiração

Utilizada em diversos estados brasileiros, como Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo, tecnologia tem vantagens sobre os etilômetros tradicionais

Por Laurie Andrade26/07/19 às 14h04
Com Agência Brasil

Novos bafômetros (ou aparelhos de detecção de alcoolemia, se considerarmos o nome técnico) foram distribuídos para a Polícia Rodoviária Federal (PRF) do Rio de Janeiro. Os chamados “bafômetros passivos” detectam a presença de álcool sem a necessidade de o condutor soprar no aparelho e já funcionam em outros estados brasileiros.

Segundo o porta-voz da PRF, José Hélio Macedo, o órgão recebeu 18 equipamentos para agilizar a fiscalização nas estradas. “O aparelho facilita bastante o nosso trabalho por questão de agilidade, porque o motorista não precisa descer do carro. Na aproximação da cabine do veículo você consegue fazer a detecção da presença de álcool. O bafômetro passivo tem uma sensibilidade bem grande”, completou agente.

Benefícios dos bafômetros passivos

Macedo explica que, além da questão da agilidade, citada acima, o novo bafômetro representa economia. Isso porque o aparelho tradicional requer o uso de um bocal que custa em torno de R$ 2 a unidade.

“Em uma fiscalização de alcoolemia você gastava diversos bocais e às vezes sem necessidade, já que o condutor pode não estar embriagado. É uma melhoria até mesmo para quem está sendo fiscalizado, porque se não tiver nada de errado, ela vai embora mais rápido”, explicou.

A Polícia Rodoviária Federal já está utilizando bafômetros passivos em diversos estados brasileiros. Entenda as vantagens do novo equipamento.
Bafômetro passivo detecta embriaguez apenas pela respiração do motorista

O policial destaca, no entanto, que os bafômetros passivos indicam o consumo de álcool, mas não medem a quantidade no organismo da pessoa, o que é necessário para a aplicação da multa. Por isso, em caso de positivo, é preciso fazer o teste à moda antiga:

O aparelho não dispensa o equipamento tradicional, porque se o motorista estiver alcoolizado, para fazer a multa ou a prisão, a gente precisa ter o teor alcoólico, o índice. E só o outro equipamento faz essa medição, o novo faz só essa triagem. É para facilitar e também a questão do custo.

No Rio de Janeiro, os novos bafômetros serão utilizados nas operações de fiscalização de rotina da PRF nas rodovias federais e também poderão fazer parte de operações integradas do órgão federal com as blitzes da Lei Seca do governo.

Em outras unidades federativas, como Minas Gerais, São Paulo e Distrito Federal, os aparelhos do tipo passivo já estão em operação.

O AutoPapo questionou a PRF de Minas com relação à negativa do teste. Isso porque, com o etilômetro tradicional, o condutor podia optar por não soprar o aparelho. A resposta do Inspetor Aristides Júnior, porta-voz do órgão, foi a seguinte:

Na realidade, os bafômetros passivos ainda não são responsáveis por multas. Então, conversamos com o motorista, fazemos a medição e, se for detectado a presença de álcool, o condutor é convidado a soprar o aparelho convencional. Nesse momento ele pode se negar a fazer o teste.

A Polícia Rodoviária Federal já está utilizando bafômetros passivos em diversos estados brasileiros. Entenda as vantagens do novo equipamento.
Bafômetro passivo

O agente completou: “o bafômetro passivo funciona como uma triagem para o equipamento tradicional. Mas cabe lembrar que o motorista que se recusa a soprar o etilômetro leva uma multa pela recusa, no mesmo valor da autuação por embriaguez, e tem sua Carteira Nacional de Habilitação (CNH) apreendida”.

“A depender dos sintomas apresentados pelo motorista, ele pode ser encaminhado para a delegacia mesmo que se recuse a soprar os bafômetros”, finalizou.

Ainda não houve, no estado, nenhuma situação em que o motorista tenha pedido para que o policial retirasse o aparelho passivo de perto dele, impedindo a aferição.

Além dos bafômetros passivos, estão em teste no Brasil os drogômetros, equipamentos capazes de indicar o uso de mais de 15 substâncias psicoativas. Testamos um deles e contamos como o “bafômetro de maconha” funciona, confira:

Fotos Agência Brasil | Reprodução

Avalie o conteúdo:
PéssimoRuimRegularBomExcelente (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Clique na estrela para avaliar.
0 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Deixe um comentário