Dr. Caoa reescreve a história da nossa indústria

Sempre se questionou porque diabos o Brasil tem a Embraer, mas nenhuma fábrica brasileira de automóveis; a resposta veio no ano passado

Por Boris Feldman05/08/18 às 11h00

Eu entrevistei o Dr. Carlos Alberto de Oliveira Andrade em abril de 2012 e publiquei artigo que tinha como título: “O sonho do Dr. Caoa”. O texto começava assim:

“Nenhum empresário do setor de automóveis no Brasil desperta tanta controvérsia como o Dr Caoa”.

E terminava assim:

“Além de importar e comercializar automóveis, o grupo Caoa foi muito além e investiu pesado para instalar uma fábrica em Anápolis (GO). Tem licença da própria Hyundai para fabricar os caminhõezinhos HR e HD 78. Monta também a antiga versão do Tucson e se prepara para produzir a nova (iX35) nos próximos meses. E tem um sonho: fabricar um automóvel nacional.”

Como assim, Dr. Caoa?  Resposta na ponta da língua:

“Já tem um escritório de design na Itália elaborando uma nova e moderna carroceria para a plataforma do Tucson. Estou negociando com a Fiat (que já lhe fornece os motores diesel para o HD 78) um motor nacional para equipar o novo carro. Faço com os coreanos o mesmo que eles fizeram com os japoneses: começaram fabricando e copiando seus produtos, depois desenvolveram seus próprios automóveis”.

Será que o Dr. Caoa é o João Gurgel que vai dar certo?

Deu. Ele não copiou os coreanos, mas foi muito além: assumiu no ano passado o controle da operação da Chery no Brasil, manteve os chineses como sócios e continua fabricando seus modelos em Jacareí e Anápolis (GO), onde ainda produz também modelos da Hyundai.

Golpe de mestre: o que era encrenca para os chineses virou sopa no mel para o Grupo Caoa. O consumidor, até então desconfiado da marca e da precária rede de concessionárias, foi conquistado pela credibilidade e know-how do grupo no mercado.

Chery Tiggo 2 é obra do Dr. Caoa
Tiggo 2 é o primeiro produto Chery lançado após o Grupo Caoa assumir as operações da fábrica de Jacareí (SP)

O Dr. Caoa está reescrevendo a história da nossa indústria automobilística, que jamais teve uma grande fábrica nacional, mas apenas tentativas fracassadas como as do Eike Batista (jipes JPX em MG), João Gurgel (jipes e compactos em SP), Mario Araripe (Troller no Ceará), Puma (esportivos em SP) e algumas outras já fechadas ou em ritmo cambaleante.

Não me esqueço do João Gurgel contando que, durante seu curso de engenharia, um professor pediu que cada aluno desenvolvesse um projeto. João levou o de um automóvel e foi repreendido: “Automóvel não se produz, compra-se”. Desafiou o professor, chegou a produzir dezenas de milhares de jipes e carros compactos, mas deu no que deu.

O desafio do Dr. Caoa é muito  mais consistente, pois assumiu uma fábrica em funcionamento,  compartilha seu know-how e tem futuro arquitetado com vários lançamentos definidos a curto e longo prazo.

Não se trata de mais um aventureiro pois tem sólida experiência no setor, desde a linha de montagem até o desenvolvimento de uma rede de concessionários, na logística de distribuição, marketing, pós-venda e peças de reposição. Representou marcas importantes como a Renault (antes de os franceses estabelecerem fábrica no país), Ford (está entre os maiores concessionários da marca no mundo), a coreana Hyundai e a japonesa Subaru.

Quando a Hyundai ainda construía sua fábrica em Piracicaba, visitei a empresa na Coréia do Sul. Numa entrevista com seus diretores, comentei sobre seu importador no Brasil. De como um médico na Paraíba tornou-se o maior empresário do setor automobilístico no país. E, para provocá-los, as controvérsias levantadas por seus exageros publicitários. As brigas com a imprensa (inclusive comigo) e com o órgão de ética da propaganda, o Conar.

Os coreanos fingiram que me ouviam com muito interesse e, ao final, só comentaram – pragmaticamente – que o “doutor” fazia o melhor trabalho de marketing institucional da marca no mundo…

A imprensa sempre questionou por que diabos existe no Brasil a Embraer, detentora da mais complexa tecnologia aeronáutica, muito mais sofisticada que a automobilística, e nenhuma empresa genuinamente brasileira entre as nossas dezenas de fábricas de automóveis.

Quem deu a resposta foi o Dr. Caoa…

Foto Caoa-Chery | Divulgação 

SOBRE

8 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Maurício G Cunha 6 de agosto de 2018

    “Já tem um escritório de design na Itália elaborando uma nova e moderna carroceria para a plataforma do Tucson. Estou negociando com a Fiat (que já lhe fornece os motores diesel para o HD 78) um motor nacional para equipar o novo carro.” Que carro é esse? Já foi lançado? Alguém sabe?

  • arai 6 de agosto de 2018

    Mas aí é fácil, né… Dr. Caoa?

    Tá certo que (Chery) pode estar cambaleante, mas já tem uma estrutura toda montada. Ao passo que o Sr. João Augusto Amaral Gurgel teve que começar tudo do zero.

    Mas o que atrapallhou mesmo o Sr. Gurgel foi a manobra das “montadoras” já estabelecidas no Brasil que obstaram qualquer tentativa de fiananciamento que viabizasse a continuação de seu sonho genuinamente brasileiro.

    E para piorar, o governo brasileiro não tomou nenhuma medida para beneficiá-lo como muito provavelmente a EMBRAER teve por ser um produto “estratégico” (na cabeça deles) para o Brasil.

    Mas isso não foi só no Brasil. Exemplo mais clássico foi do também visionário “Preston Tucker cria um carro excêntrico de três faróis, que ele vislumbra como o “carro do futuro”. Naturalmente, os grandes empresários não toleram a competição e, com a ajuda de vários políticos, esmagam o carro e o homem que o construiu.” (trecho extraído de Wikipedia)

  • Samarone 5 de agosto de 2018

    Porque não temos uma fabrica de automóveis genuinamente Brasileira? Simples, Brasileiro não compra carro, compra status, e produto nacional não da status!

    • Felipe Bracarense 8 de agosto de 2018

      realidade!

  • Hermeson 5 de agosto de 2018

    Eu particularmente não gosto do Grupo Caoa. Péssimo atendimento na venda e no pós venda. Um dos motivos da Hyundai não ter abocanhado uma fatia maior do mercado. Ouço muita reclamação de quem tem Hyundai e precisa de serviços deles.
    Eu não compro carro deles.

    • Ademir Delmondes 7 de agosto de 2018

      Acho melhor você se informar melhor o grupo CAOA ganhou prêmios nos quesitos vendas e pós vendas, desbancou montadoras de renome no Brasil. Quanto a não gostar, o que seria do verde se todos gostassem do amarelo.l

  • Vinícius Gomes De Souza 5 de agosto de 2018

    Temos a EMBRAER, mas, infelizmente, não por muito tempo… (Não é Sra. Boeing)

  • Carlos Renande 5 de agosto de 2018

    Produto relativamente bom , mas com ótima rede de assistência…
    o x da questão.

Deixe um comentário