Fusão entre Renault e Fiat-Chrysler rende notificação a concessionárias

Rede autorizada do grupo ítalo-americano na Argentina já recebeu carta sobre a possibilidade de união com os franceses

Por AutoPapo 29/05/19 às 17h00

As próximas notícias da fusão entre Renault e Fiat-Chrysler só serão divulgadas na semana que vem. Porém, os concessionários do grupo ítalo-americano localizados na Argentina já receberam uma notificação sobre a transação. A carta endereçada à rede autorizada foi reproduzida na íntegra pelo Argentina Autoblog.

Fusão entre Renault e Fiat-Chrysler (FCA) poderá ser anunciada em poucos dias


O documento, porém, não revela detalhe algum sobre a fusão entre Renault e Fiat-Chrysler. O texto explica apenas que as negociações estão em andamento, mas ainda em fase inicial. A carta destaca que, por enquanto, nada muda na rede assistencial da marca italiana.

Esse, aliás, parece ser o maior objetivo da notificação: tranquilizar os concessionários, como destacou o Argentina Autoblog. No país, vizinho, assim como no Brasil, Fiat e Renault têm grande participação no mercado. Porém, vêm adotado estratégias comerciais distintas até o momento.

O que já sabemos sobre Fusão entre Renault e Fiat-Chrysler

A proposta de união entre os dois grupos empresariais partiu dos italianos. Eles sugerem que, se a fusão se concretizar, dará origem à terceira maior fabricante do setor, com uma produção anual de 8,7 milhões de automóveis. Ademais, englobaria praticamente todos os segmentos, desde modelos de entrada, graças às marcas Dacia e Lada, até superesportivos com as grifes Maserati e Alfa Romeo, além de veículos comerciais.

A proposta prevê a criação de uma nova empresa. Após a fusão, o controle acionário seria igualitário: 50% para a Fiat-Chrysler e 50% para a Renault. O conselho da marca francesa já estaria efetuando reuniões para avaliar a nova parceria. Na próxima semana, será anunciada uma resposta. Caso a proposição seja aceita, será assinado um acordo não-vinculante, para inciar o processo de união.

A Renault já anunciou algumas condições para aceitar a fusão com a Fiat-Chrysler. Entre elas, está a manutenção de empregos na França, exigida pela legislação do país. Outra exigência é que o governo francês, que detém 15% das ações da marca, tenha posição privilegiada no conselho da nova empresa. Por fim, a multinacional sediada em Boulogne-Billancourt quer encabeçar o desenvolvimento de tecnologias elétricas de propulsão.

Há ainda mais uma condição: a Renault quer que suas parceiras Nissan e Mitsubishi sejam incluídas na fusão. Esse, inclusive, é um dos pontos mais nebulosos do negócio. Isso porque existe a possibilidade tanto de o acordo envolver as marcas japonesas quanto de excluí-las. Provavelmente, na semana que vem, essa questão deverá ficar mais clara.

Avalie o conteúdo:
PéssimoRuimRegularBomExcelente (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Clique na estrela para avaliar.
0 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Deixe um comentário