O Brasil é mesmo uma Belíndia!

Sensores de distância foram proibidos pelo governo brasileiro nas Mercedes, pois sua frequência era parecida com a dos radares militares que detectam discos voadores

Por Boris Feldman18/02/18 às 11h36

O economista Edmar Bacha criou na década de 1970, com muita propriedade, o termo Belíndia para definir o Brasil: um país contraditório que convive simultaneamente com as características da Bélgica (rica e com elevada qualidade de vida) e da Índia (pobre e com a maioria da população em estado miserável).

Eu me lembrei do Bacha a propósito de uma gambiarra que a Mercedes-Benz foi obrigada a adotar em alguns de seus automóveis importados para o Brasil: incluir grotescamente um pneu sobressalente no porta-malas que não foi projetado para recebê-lo. Solução para evitar seus clientes a pé na estrada com o pneu (run flat) rasgado em alguma cratera asfáltica.

Acostumados com os tapetes rodoviários europeus, os engenheiros alemães seriam incapazes de imaginar as condições catastróficas de nossas estradas que não furam, mas rasgam e destroem os pneus, derrotando a sofisticação tecnológica que permite que o run flat (que vai mesmo murcho) continue a rodar até o posto.

Brasil é Belíndia e Mercedes teve problema para homologar

A mesma Mercedes se viu diante de um problema surrealista com seus modelos importados para o Brasil. Há alguns anos, ela submeteu um novo carro aos testes habituais para homologação junto ao governo brasileiro. Tomou bomba e sua importação foi proibida a menos que a fábrica retirasse os radares frontais que determinavam a distância entre ele e o carro da frente.

Necessários para os dispositivos eletrônicos que não deixavam o carro se aproximar perigosamente do outro à frente e que acionava automaticamente o freio no caso de uma colisão ou atropelamento iminente. “Qual o problema?”, indagaram os técnicos da Mercedes. Era porque – respondeu o governo – aqueles radares operavam na mesma frequência que os aparelhos militares que detectavam a aproximação de OVNIs (Objetos Voadores Não Identificados)…

Mas a Mercedes se aclimatou muito bem ao “jeitinho brasileiro”. Proibida de trazer utilitários esportivos com motor a diesel por uma controversa decisão do governo na década de 1970, ela não teve dúvida. Enquadrou seu ML320 CDI como jipe, mesmo não tendo a necessária caixa de redução (reduzida) para caracterizá-lo como tal.

Alegou para o Conselo Nacional de Trânsito (Contran) que o sistema eletrônico que controla a transmissão atuava exatamente como uma caixa de redução. O órgão “aceitou” o esdrúxulo argumento e aprovou a ilegalidade. E tome carro de luxo queimando diesel…

Nossa defasagem em termos de segurança veicular é deprimente. Mesmo equipamentos mais simples e baratos, como o sistema Isofix para cadeirinhas ou a exigência de cinto retrátil e apoio de cabeça no centro do banco traseiro, foram exigidos muitos anos depois do “Primeiro Mundo”; e até da Argentina.

O governo brasileiro acaba de passar por outra vergonha: carros nacionais submetidos a crash tests laterais pela entidade uruguaia LatinNCAP tomaram bomba: zero estrela na proteção ao passageiro no banco da frente. Como estes testes não eram exigidos pelo governo (só os frontais), as fábricas declararam que os modelos respeitavam nossa legislação.

Mesmo assim, uma delas (GM) correu para reforçar a estrutura lateral do carro reprovado (Onix), que então passou no teste dos uruguaios. Envergonhado, o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) correu para publicar, dias depois, portaria exigindo os testes laterais.

Pelo menos duas fábricas tiveram que (des)investir para eliminar os airbags do volante de seus carros: os antigos VW Golf e Renault Clio foram projetados na Europa com este dispositivo. Foram retirados no Brasil por não serem obrigatórios (à época) e por “encarecer” o preço público dos modelos.

Fábrica de amortecedor no Brasil sugere sua troca aos 40 mil km. A matriz, nos Estados Unidos, informa a necessidade de uma revisão aos 80 mil km. Deu para perceber a diferença?

Prêmio de consolação: notícias do “Primeiro Mundo” amenizam eventual preocupação com o comportamento do brasileiro, pois algumas oficinas nos Estados Unidos também tentam empurrar a famosa limpeza de bicos injetores no momento da revisão periódica…

SOBRE

4 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Erick 23 de fevereiro de 2018

    o povo tem o governo que merece, só isso. verdadeira palhaçada, nada mais…

  • jeffther 20 de fevereiro de 2018

    é deplorável mesmo certas “condições” que esses supostos órgãos impões para o consumidor comum ter acesso a carros outrora excelentes, mas que ao adentrar no país tem itens suprimidos (especialmente visando segurança) pois não atendem exigências de regulação…logo paga-se muito mais por carros “pelados”…que vislumbram somente acesso a redes sociais, ski window, tela sensivel, “artista babaca que divulga o carro (grande coisa) e cores berrantes…mas segurança pra que né?…isso é o reflexo da alienação do consumo voltado a porcarias ditas “carros do ano”…Excelente reportagem do grandioso Boris, ..que não baixa a cabeça para as midias vendida$ e fala a real das montadoras/orgãos…

  • IVAN VASCONCELLOS 19 de fevereiro de 2018

    Mais uma vez, culpados somos nós pelo baixo nível de exigência, incluindo aí a Imprensa Especializada que sempre acha tudo bonito, com raras exceções, como o Boris, que “bota a boca no trombone”. Pena que ele seja minoria.
    Uma das mais engraçadas é a história do farol baixo nas estradas federais, em vez obrigarem as “montadoras” a equipar os carros com Luz Diurna (DRL), jogaram a obrigação para nós motoristas. Só aqui na Belíndia mesmo!

  • paulo e.f. diehl 18 de fevereiro de 2018

    basta ver o crash test dos 10 carros”bateu morreu” fabricados no país , onde o chevrolet onix ,campeão de vendas, está em 3º lugar neste trágico ranking e o 1º e o jac 3!!!

Deixe um comentário