Placas padrão Mercosul: mais caras no Brasil que em outros países

'Padrão' do país é diferente dos demais integrantes do Mercosul; brasões da Cidade e do Estado fazem com que a chapa precise ser trocada e aumenta custos

Por Laurie Andrade20/08/18 às 10h26

Em breve, o padrão das placas dos veículos do Brasil será substituído. A decisão foi tomada com base em um acordo realizado entre os países integrantes do Mercado Comum do Sul (Mercosul), em 2014. A ideia é padronizar as identificações e, segundo as autoridades, facilitar o processo de substituição de chapa ou primeiro emplacamento. A questão é: as placas padrão Mercosul vão mesmo facilitar a vida do motorista brasileiro?

Bem, parece que não. A primeira data estipulada para que o novo padrão começasse a valer por aqui era janeiro de 2016. Desde então, a substituição para as chapas unificadas foi postergada diversas vezes. É que o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) tem encontrado dificuldade para determinar o processo de fornecimento das placas, que têm custo elevado.

Além do preço mais alto, outra questão assombra as placas padrão Mercosul. Ao contrário da Argentina e do Uruguai, que já adotam as novas chapas conforme os parâmetros estabelecidos durante o acordo, o Denatran resolveu adicionar detalhes às chapas brasileiras. E fica a reflexão: qual o sentido de adotar um padrão para descumpri-lo?

Para além dos códigos de barra bidimensionais (conhecidos popularmente como QR Code), que dão acesso à informações do banco de dados, o modelo brasileiro apresenta o brasão do Estado e da Cidade em que o veículo está registrado. O que isso muda para quem tem um carro?

A partir de 1º de dezembro, as placas brasileiras vão mudar. Até 2023, todos os carros devem adotar as placas padrão Mercosul. O processo ficará mais fácil?
Foto Denatran | Reprodução

Todas as vezes em que o motorista mudar de cidade, além de fazer um novo registro do veículo no Departamento de Trânsito (Detran), precisará de trocar a placa. Atualmente, existe a possibilidade de pagar a taxa de alteração no Detran e substituir apenas a tarjeta com o nome da cidade, que custa menos do que o valor total da placa.

A reportagem consultou um dos despachantes mais baratos de Belo Horizonte, de acordo com o levantamento da empresa de análise de preços Mercado Mineiro, e conferiu os valores (que mudam de acordo com a região do Brasil). Uma placa nova custa, em média, na capital mineira, R$ 90,00. A tarjeta, por sua vez, pode ser comprada por R$ 60,00.

A partir de 1º de dezembro, as placas brasileiras vão mudar. Até 2023, todos os carros devem adotar as placas padrão Mercosul. O processo ficará mais fácil?
Foto AutoPapo | Alexandre Carneiro

Quanto custará a nova placa, que possui mais tecnologia?

Questionada sobre valores, a assessoria de comunicação do Denatran informou que ainda não consegue estipular preços, mas confirmou que o proprietário terá mesmo que trocar a chapa inteira quando mudar de cidade, como estipula a Resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) nº729/2018.

§3º A Placa de Identificação Veicular no padrão MERCOSUL deverá ser implementada pelos Órgãos ou Entidades Executivos de Trânsito dos Estados e do Distrito Federal até 1º de setembro de 2018, para os veículos a serem registrados, em processo de transferência de município ou de propriedade, ou quando houver a necessidade de substituição das placas.

A redação perguntou, ainda, qual a explicação para adicionar os brasões às placas padrão Mercosul, visto que a justificativa inicial para alterar as chapas brasileiras era desburocratizar os processos e utilizar o mesmo modelo dos outros países, que não adotam tal medida. O Contran informou que “a placa atual já traz o município através da tarja com o nome da cidade e UF. Desta forma, a legislação apenas manteve o padrão e a fixação do brasão, que não significa aumento de custos e será colocada através do Hot Stamp (película que é obrigatória para dar cor à placa)”.

O Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV) se colocou contrário à adoção dos brasões e levou a questão para o Tribunal de Contas da União (TCU), que pediu uma posição do Denatran.

Em resposta à solicitação de mais esclarecimentos, o TCU enviou a seguinte nota:

O assunto está sendo tratado no TC 010.228/2018-7 – Sistema de placas de identificação de veículos no padrão disposto pelo Mercosul. Credenciamento. Resolução CONTRAN 729/218.
No momento, as informações disponíveis são somente as que constam no espelho do processo, não sendo possível prestar informações mais detalhadas. Quando a unidade técnica concluir sua análise, o parecer é enviado ao relator que se manifestará e levará proposta ao plenário do TCU para deliberação. Após a discussão pelo plenário, o relatório se torna público.

Brasões nas placas padrão Mercosul, por quê?

A adoção dos brasões, de acordo com os órgãos responsáveis, serve para manter a arrecadação de impostos, como o Imposto sobre a Propriedade de Veículo Automotor (IPVA). A argumentação, no entanto, se mostra falha, já que a responsabilidade pela propriedade do veículo se dá pela documentação de posse do proprietário, a qual, por determinação do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), deve ocorrer junto ao órgão executivo de trânsito do Estado, no Município de domicílio ou residência de seu proprietário (Artigo 120).

O Denatran alega, também, que os Estados e Municípios têm paixão pelo fato das placas dos veículos, ao transitar, carregarem o seus nomes para outras localidades. Argumento que não se sustenta de forma prática ou técnica, uma vez que com a utilização das placas padrão Mercosul – que são equipadas com um chip – qualquer leitor pode obter as informações em relação ao veículo.

57 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • arthur 4 de novembro de 2018

    Estado e município sempre tiveram, vide quela placa fininha rebitada na placa atual. Só foi acrescentado o país, que é bem logico, pois envolve países do MERCOSUL.

  • Braga 15 de setembro de 2018

    O roubo e furto além de homicídios tem índice tão altos e vem ai mais uma placa pra atrapalhar o servico de identificao . Falo do policial que patrulha a cidade e precisa de meios mais praticos para identificação de um veiculo em transito com alguma irregularidade. Não observaram a maior necessidade atual e tampouco pediram algum tipo de colaboracao para aqueles que vivem o dia a dia do crime nas cidades.

  • Leandro 13 de setembro de 2018

    Essas placas nada mais é como o selo que implantaram em 1995, depois os kit de primeiros socorros e
    Os extintores.
    Somos todos BABACAS COMO SEMPRE!
    ********************************
    Cansado desse país nojento!
    Eles roubam roubam depois agente pagar a conta.

  • UBIRATAN 11 de setembro de 2018

    ISSO COM CERTEZA É MAIS UM ESQUEMA DE PROPINA PARA SUSTENTAR VAGABUNDOS POLITICOS , PARA DESVIO DE DINHEIRO. PODEM TER CERTEZA DISSO. POLICIA FEDERAL NELES. TANTA COISA MUITA MAIS IMPORTANTE PARA SER FEITA NESTE PAIS, E ELES VEM COM MAIS UMA MERDA

    • Lucas 23 de setembro de 2018

      A mesma polícia federal que foi pega roubando placa solar dos postes do arco metropolitano no RJ?

  • Celso laurentino 22 de agosto de 2018

    Isso já e palhaçada placa nova mas um ritmo de tira dinheiro do brasileiro já não basta pagar IPVA insposto da casa que VC já sofreu para ter tudo para esse govorno e dinheiro que tira dos mas fraco os plesidendes só guanho já não basta oumento deles vê aposentado quanto guanha ninguém vê mem luta para ter um piso bom de salario esses governos viu só deus..

  • Wagner 22 de agosto de 2018

    Qual a utilidade de ter o nome do país, estado, município? Em breve vamos por também o endereço, CPF, PIS… caramba, será que dá pra fazer algo como é feito na Alemanha ou Inglaterra? Põe uma combinação de letras e números e para de mexer nessa merda de uma vez por todas.

    • arthur 4 de novembro de 2018

      Estado e município sempre tiveram, vide quela placa fininha rebitada na placa atual. Só foi acrescentado o país, que é bem logico, pois envolve países do MERCOSUL.

  • Manoela 21 de agosto de 2018

    Placas muitoooo mais caras e sem falar que vai deixar mais de 10mil famílias desempregadas pois, a maioria das empresas irão fechar para o monopólio de multinacionais.

  • Robsom 21 de agosto de 2018

    Colocar cidade e estado só aumenta o preço e BURROcacia ao mudar seu endereço, o sistema deve ser atualizado sem necessidade de troca de placa. Em sp tentei trocar a tarjeta, pois o vendedor era de pra cidade. O Detran só troca a placa inteira, não é idiota essa política? Já que as placas estavam em bom estado e lacre íntegro?

  • Augusto Cesar 21 de agosto de 2018

    A placa deveria ser obrigatória só para carros novos ou para quem fosse cruzar as fronteiras. Obrigar quem tem carro velho lá em Fortaleza botar placa de mercosul é roubalheira mesmo.

    • samuel 1 de setembro de 2018

      Troca opcional ok!

      • Saulo 14 de setembro de 2018

        Não é opcional. Quando vc vender seu carro, o comprador será obrigado a trocar. E quando vc comprar outro carro, tb será obrigado a trocar.

  • Marcos Goulart Santos 21 de agosto de 2018

    Mais uma jabuticaba..

  • Luis 21 de agosto de 2018

    Não vejo a hora de pôr essas placas novas no meu carro e moto 😍

  • Sandra 21 de agosto de 2018

    Essa placa Mercosul,precisa é de uma lava placas,aí saberemos qual o motivo dessas mudanças.
    Beneficiar empresas multinacionais e dificultar a vida do trabalhador brasileiro.
    Para isso acontecer muitas empresas do ramo estão ameaçadas a sair do mercado.
    Mercosul = seletividade infelizmente.

    • Gabriel Rego 21 de agosto de 2018

      penso que seu comentário nao está de todo correto, uma vez que várias empresas já estão sendo credenciadas pelo Denatran como estampadoras das placas do Mercosul. De uma olhada no Diario Oficial da Uniao, lá voce poderá ver a serie de portarias que estão sendo publicadas credenciando os estampadores, e poderá observar ainda que se tratam na sua maioria MicroEmpresas…penso que poderia se informar melhor antes de criticar or criticar.

      • Antonia 21 de agosto de 2018

        Gabriel, voce eh funcionario comissionado do Denatran? Somos fabricantes de placas e sabemos muito bem o que estamos falando!

      • Manoela 21 de agosto de 2018

        Tudo que está saindo no Diário Oficial da União eh uma farsa, logo logo a bomba vai estourar.

      • Neuza Ferreira 22 de agosto de 2018

        O comentário do rapaz , só para constar e bem pertinente, pois o Denatran na verdade credenciou varias empresas , que serão mulas de carga das multidões nacionais se nada for feito a respeito.

    • Gabriel Rego 21 de agosto de 2018

      Cara Sandra e Antonia,

      peço imensa desculpas por ter comentado aqui, sou apenas um entusiasta do Mercosul e por isso acabo lendo muito sobre os países irmãos e acabei porvir aqui tentar ajudar no que achei comentários sem muita profundidade. Mas como não trabalho na área peço imensa desculpas. Achei ainda que o Grupo de trabalho instituido pela portaria 52 de 23 de março de 2018 tinha sanado todas as dúvidas a respeito da placa mercosul. Peço imensa desculpa.

      • Sandra 21 de agosto de 2018

        Meu querido!!
        Você gostaria de estar em nosso lugar? Se você fosse estampador de placas com mais de 10 no mercado devido essa portaria você se ver fora do mercado ,será quiria continuar sendo entusiasta dessa decisão.
        Ñ sou contra a placa Mercosul,porém a forma como querem implantar sim.
        Você gostaria de ficar dependendo de outra categoria para decidir se você permanece no mercado?
        Porque será assim.
        Por isso meu querido sabemos o q estamos falando sim.

  • Adilson 21 de agosto de 2018

    este esquema já vinha sendo planejado a muito tempo. comessou com convênio e consórcios arquetetado por empresa multinacional. o judiciário intervir e acabaram em vários estados. agora o esquema é bilionário que envolve direcionamento de portariad do Denatran para favoreser empresa multinacional. igual a tomada de três pinos do servil para enriquecer mutnacional. ( esquema podre e a empresa si cala )

    • Gabriel Rego 21 de agosto de 2018

      Penso que essa afirmação não procede, pois basta olhar o diario oficial de uniao e ver que desde 2 de julho de 2018 estão sendo publicadas portarias com o credenciamento das empresas estampadoras de placas do Mercosul. Ali pode-se observar que a maioria das empresas não chegam nem perto de serem multinacionais. Penso que é melhor se informar antes de criticar.

      • PN do REGO 21 de agosto de 2018

        Penso que…. Você não pensa nada, você é um pau mandado do Juarez Borgez representante da JKG (Holanda) e Roberto Appel da Utsch (Alemã) para ficar pensando, as Placas Mercosul são um negócio de R$ 18 bilhões.. que vem aqui tentar manipular sempre como fizeram este nojentos, basta ler o texto da resolução.. trata as placas como PIVs (Placas de Identificação Veiculares).. Srs leitores os verdadeiros ladrões da república são o Presidente do DENATRAN Dr Mauricio Alves, Juarez Borges (um canalha) e Roberto Appel… os nomes estão ai… a denúncia contra eles já foi feita na PF.. então Sr Rego, fique preparado q é onde o sr. vai levar.

    • Gabriel Rego 21 de agosto de 2018

      peço imensa desculpa ao PN DO REGO por de alguma forma ter feito comentários que despertassem algum tipo de ira. Peço imensa desculpa. Perdão até por ter, como simples entusiasta. entrado em discussão que parece envolver situações das quais vão além do meu conhecimento de entusiasta do bloco Mercosul e dos países membros. Peço desculpas PN DO REGO.

  • Sérgio 21 de agosto de 2018

    Já era de se esperar,eles tem que arranjar um jeito de tirar dinheiro de nós.

    • Gabriel Rego 21 de agosto de 2018

      Penso que não procede a afirmação “tirar dinheiro de nós”, pois o próprio DENATRAN informa que sempre recebeu denúncias de “acordos” locais entre as empresas, a bitributação, e, principalmente a atuação de diversas categorias de intermediários na comercialização das placas para os consumidores; não há um tabelamento nos preços das placas veiculares, é o próprio mercado que regula os valores através da livre concorrência. Por todo o procedimento de emplacamento os preços podem vir a chegar perto de $800,00. Então arranjar um jeito de tirar dinheiro de nós já existe.
      O intuito com as placas do Mercosul é acabar com isso. Acabar com esses abusos.
      Penso que poderia se informar melhor antes de criticar.

      Observe ainda o que disse o deputado Domingos Sávio (PSDB-MG): “Existe no sistema atual algumas localidades que estão sendo alvo de cartéis, em Minas Gerais. Nós temos cidades que um par de placas chega a R$ 800. Um par de placas que o custo da matéria prima não passa de R$ 20”

    • Gabriel Rego 21 de agosto de 2018

      penso que os fatos abaixo poderiam ser colocados e que acabam por demonstrar uma má vontade na afirmação de que irão “arranjar um jeito de tirar dinheiro de nós”.
      1- atualmente credenciam as empresas fabricantes/estampadoras, não há um tabelamento nos preços das placas veiculares, é o próprio mercado que regula os valores através da livre concorrência. Preços de emplacamento chegam a R$ 800,00. Segundo o deputado Domingos Sávio (PSDB-MG) “Existe no sistema atual algumas localidades que estão sendo alvo de cartéis, em Minas Gerais. Nós temos cidades que um par de placas chega a R$ 800. Um par de placas que o custo da matéria prima não passa de R$ 20”.
      2- DENATRAN sempre recebeu denúncias de “acordos” locais entre as empresas, a bitributação, e, principalmente a atuação de diversas categorias de intermediários na comercialização das placas para os consumidores, o que agrega valor considerável aos preços das mesmas.
      Assim a placa do Mercosul vem para tentar coibir isso. Alem disso os fabricantes terão que colocar seus preços na internet para que o consumidor possa fazer uma comparação. Penso que o melhor é se informar antes de criticar por criticar.

  • Jose maria 21 de agosto de 2018

    Não há necessidade de nome de cidade ou estado. Isto é balela. Só servem pra dar vazão aos altos custos cobrados. No interior então o usuário sofre muito mais com preços.

    • Gabriel Rego 21 de agosto de 2018

      penso que poderia se informar melhor antes de criticar. Mas vamos lá: Os brasões são a identificação do DOMICÍLIO do veículo/proprietário, que está nas placas brasileiras desde os anos 1940. A placa pode ser federal, mas o controle e tributação/multas da frota é descentralizado nos Estados, e os Municípios tem participação de 50% no IPVA. Ao retirar estes elementos, é muito provável que pequenas cidades percam receita, ou mesmo as cidades maiores percam parte de suas receitas com IPVA.

      Acrescnto ainda que: a prestação do serviço de estampagem será tributada no município, o que não ocorrerá com a centralização da produção. Isso também implica em perda de receita pelo município.

      E pode se dizer tambem que: A identificação do domicílio também é importante na fiscalização e no monitoramento do “crime sobre rodas”, uma vez que normalmente as forças policiais, as autoridades de trânsito, de fiscalização de transporte, tributária e ambiental, têm maior cautela com veículos de fora do domicílio onde é realizada determinada operação.

      se quiser maiores detalhes consulte o site do denatran lá penso poderá ver que o trabalho que está sendo feito é sério.

      • Fábio Peres 23 de agosto de 2018

        Faz sentido. Na placa antiga tem o nome do Estado e da cidade acima da identificação do carro. Na placa nova, será o brasão do Estado.

  • Antonia 21 de agosto de 2018

    Nao existe o sistema integrado entre os paises bloco do Mercosul. Placas digitais, totalmente inconstitucional, com direcionamento a multi nacional. Politicos envolvidos em mais uma roubada ao povo brasileiro. #mpe#mpf#tcu#pf

    • Gabriel Rego 21 de agosto de 2018

      existe sim…procure se informar melhor… sobre o SINIAV – Lei Complementar nº 121/2006

  • Valda Barros 21 de agosto de 2018

    Sem nuncafalar de mais de 10mil desempregos diretos. Esse é o futuro do Brasil

    • Gabriel Rego 21 de agosto de 2018

      Por causa disso que a reglamentação foi atrasada pela ultima vez para que os estampadores fossem ouvidos e se evitasse a perca desses empregos… penso que seria interessante procurar se informar melhor. Segundo o Analista de Infraestrutura do Ministerio dos Transportes, Rone Barbosa: “A resolução 729 acabou sendo suspensa porque os estampadores de placas reclamaram que o normativo exigia que uma mesma empresa fosse responsável por toda a fabricação. Só que o mercado trabalha com a terceirização da fase final, que é a estampagem. A mudança poderia causar a perda de 10 mil empregos, de acordo com os representantes do setor. Rone Barbosa disse que a nova resolução vai reconhecer os estampadores, mas vai exigir a identificação do responsável pelo produto final na própria placa.”

  • Fabio 21 de agosto de 2018

    Querem adotar um padrão Mercosul, primeiro lugar, tinha que arrumar as estradas, dando maior segurança para os usuários,nem isso o governo faz, primeiro arrumar a casa depois arrumar o quintal

  • Sandro thibes coelho 21 de agosto de 2018

    Sou contra. .é. Mais uma roubalheira desse corruptos do governo.tudo fazem pra roubar. Ou beneficiar. Algum fabricante dessas placas. .pouca vergonha não deviamos aceitar..

  • Gabriel Rego 20 de agosto de 2018

    Muito estranha essa matéria, penso que passou ao largo da isenção. Mas vamos lá, aqui nesta reportagem não foram abordados a questão segurança, clonagem de placas e roubo de veículos e mercadorias. O que a placa Mercosul irá tentar diminuir e coibir. O custo, se a repórter fosse mais isenta e apurasse melhor, penso poderia acrescentar que em muitos estados o custo não é de $90,00. Alguns locais o emplacamento chega a $800,00 e isso é outra das falhas atuais que a placa Mercosul tentará coibir. Padronizar o valor que hoje em dia são abusivos em muitos estados. O brasão não fazia parte, mas aqui no Brasil se optou por isso para manter, como é hoje, a arrecadação dos municípios e ponto final. Manter-se-á o que já é feito. O adiamento último deve-se a ajustes com os estampadores e fabricantes para que os empregos desses fossem mantidos e alinhados as dúvidas que restavam. Foi feita ainda audiencia pública (video disponível no site da camara) onde vários esclarecimentos foram sanados. Ainda sobre a mudança de município, como a placa virá com um custo muito mais baixo do que os atuais, só se pode achar muita ma fé na reportagem para dizer que isso irá aumentar o valor para o cidadão. Observar ainda a questão do canal verde junto a ANTT, programa de fiscalização que será potencializado com a placa Mercosul. A mais importante é: A TROCA NÃO SERÁ OBRIGATÓRIA. Torço para que a repórter leia esse meu comentário e que seja mais isenta nas próximas vezes. Peço que escute o outro lado. Que considere o contraponto em suas reportagens. Escutar o diretor do Detran de Pernambuco por exemplo ou o analista Rone Barbosa do Ministério dos Transportes e até o Diretor Mauricio Pereira já seria um salto de qualidade a essa matéria.

  • Carlos Minkap 20 de agosto de 2018

    Esta historia de placas Mercosul é uma piada de mal gosto para onerar mais o custo para quem tem carro.

    Querem fazer padrão, que façam então mas sem onus para os proprietários, nós não estamos pedindo nada em relação a troca de placas, mas sim rodovias em condições de trafegabilidade.

    • Gabriel Rego 21 de agosto de 2018

      Penso que por ter sido retirada a obrigatoriedade de troca das placas não tem porque falar em aumentar o custo para o proprietário. Caso queira o dono do veículo poderá ficar com a placa cinza (atual) até o fim da vida do veículo. Penso que poderia se informar melhor antes criticar por criticar.

      • arthur 4 de novembro de 2018

        Sabe o que acontece? O brasileiro tem mania de criticar tudo… compra-se um carro de 10, 20, 30 mil ou mais e criticam uma placa de 200 reais. Se voce comprar um carro zero tambem pagaria por uma placa antiga. Se mudasse a cidade ou estado trocaria a plaqueta. Estão trocando 6 por meia dúzia…

  • Luís 20 de agosto de 2018

    Piada esse Denatran além de ser cabide de indicações políticas, sempre querendo onerar ainda mais o brasileiro. Daqui à pouco vão instituir a volta do kit de primeiro socorros e extintor de incêndio.

  • alvaro 20 de agosto de 2018

    Sem comentários… Como pode ficarmos a merce deste orgão que só atrapalha a vida do cidadão. Uma palhaçada isso sim.

  • ADJAIR BERTOCHI 20 de agosto de 2018

    JÁ PENSARAM QUALQUER UM DESTES QUE ESTÃO POSTULANDO A PRESIDENCIA DA REPUBLICA EM 2018, TAMBEM NÃO VÃO FAZER NADA E O DENATRAM VAI CONTINUAR ACHARCANDO A POPULAÇÃO. APERTEM O BOTÃO VERMELHO, E SALVEM QUEM PUDER.

  • ADJAIR BERTOCHI 20 de agosto de 2018

    ESTES GOVERNOS QUE AI ESTÃO, QUE NÃO SE PODE CHAMAR DE GOVERNOS, E SIM DE UMA QUADRILHA QUE SE IMPLANTOU EM NOSSO PAIS, PODEM PROCURAR QUE NESTA TOCA TEM CORRUPÇÃO COM OS FORNECEDORES DE PLACAS. CORTO MEU PESCOÇO SE NÃO TIVER. MAMÃE ME ACUDA.

    • Alexander sa 21 de agosto de 2018

      Realmente estas placas estão sendo direcionadas as empresas multinacionais.
      #mpe #mpf #tcu

      • Gabriel Rego 21 de agosto de 2018

        De onde saiu essa sua afirmação? A casa da moeda é que ficará responsavel pelo chip. Os estampadores estão sendo credenciados – verifique as edicoes do Diario Oficial da Uniao desde 2 de julho de 2018. Pergunto novamente de onde saiu essa certeza de que será direcionado a empresas multinacionais?

      • Natália 21 de agosto de 2018

        Gabriel Rego… Quais as empresas que fabricarão as placas? Eu estou dizendo FABRICAR o blank, e não ESTAMPAR.
        Todo mundo sabe q é a UTSCH e uma empresa holandesa. Não banque o ingênuo. Várias empresas deveriam produzir o material e não apenas duas, havendo assim concorrência. Segundo um blog do Correio Brasiliense, o Roberto Appel foi visto na Casa da Moeda com o Presidente do Denatran, Maurício José Alves.

        EDITADO

      • Gabriel Rego 21 de agosto de 2018

        eu sou apenas um entusiasta… peço desculpas pela minha ingenuidade….achei ainda que o grupo de trabalho criado pela portaria 52 em 23 de março de 2018 tinha sanado essas dúvidas sobre fabricantes e estampadores e todas as dúvidas e questionamentos que tinha surgido. Peço imensa desculpa como é um sitio público eu achei que poderia ajudar esclarecendo. Meu conhecimento é apenas de entusiasta pelo Mercosul e para com os países irmãos. Peço desculpas pela minha ingenuidade.

  • elves pereire dias 20 de agosto de 2018

    ate quando, o Brasil vai ser esta patifaria!!

  • Gsr 20 de agosto de 2018

    Desordem e regresso = brasil lixo!

  • CARLOS 20 de agosto de 2018

    Órgãos de trânsito brasileiros, vêm de longa data cometendo abusos contra o proprietário de veículo neste país. Este é só mais do mesmo. quando será que estes burocratas deixarão de atrapalhar o Brasil? Afinal de contas para quê são pagos com o dinheiro público (ou seja o nosso dinheiro)?

  • Fabiano Lima Ramos do Nascimento 20 de agosto de 2018

    Nós brazucas nao temos solução. Somos um caso a parte…

  • DALTON 20 de agosto de 2018

    Q Absurdo… Mais um tributo totalmente desnecessário pra população arcar… Acorda Brasil… Precisamos acabar com esses abusos… Cobrem os seus deputados… Isso não pode avançar.

    • Gabriel Rego 21 de agosto de 2018

      Qual tributo? Não será obrigatoria a troca de placa. Só veiculos novos e que forem fazer transferencia. O que tem de novo nisso?

      Veja ainda o que o DENATRAN informa sobre essa situação: Segundo dados do sistema RENAVAM, em 2017 tivemos 1.229.735 transferências de propriedade, e 305.027 transferências de domicílio. Atualmente nenhum órgão do Brasil tem parâmetros para prestar a informação sobre a quantidade de placas produzidas no país, até porque a criminalidade tem LIVRE ACESSO aos materiais e produtores em todo o país, o que gerou a situação caótica atual. Com a centralização e controle total do processo de produção e estampagem, os órgãos o DENATRAN e o DETRAN da respectiva Unidade da Federação farão o monitoramento e a fiscalização de todo este processo, de modo que nenhuma placa poderá ser estampada sem a autorização e conhecimento destes órgãos.

      • arthur 4 de novembro de 2018

        Sabe o que acontece? O brasileiro tem mania de criticar tudo… compra-se um carro de 10, 20, 30 mil ou mais e criticam uma placa de 200 reais. Se voce comprar um carro zero tambem pagaria por uma placa antiga. Se mudasse a cidade ou estado trocaria a plaqueta. Estão trocando 6 por meia dúzia…

Deixe um comentário