Dia das crianças: viajar sem a cadeirinha pode custar R$ 293 – e vidas!

Dados apontados pelo DataSUS afirmam que, entre 2005 e 2014, as mortes no trânsito na faixa etária de 0 a 4 anos cresceram 66% no Brasil

Por AutoPapo11/10/18 às 10h28

No feriado de 12 de outubro, muitas famílias aproveitam para viajar e comemorar o dia das crianças. O que nem todos se lembram, no entanto, é que viajar sem a cadeirinha pode causar muitos prejuízos. Além de perder sete pontos e pagar uma multa gravíssima de R$ 293, o motorista que não exige que as crianças estejam devidamente presas coloca a saúde de todos os ocupantes do carro em risco.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), no feriado da Independência, 07 de setembro, o número de autuações por transporte de crianças sem os equipamentos exigidos por lei (como bebê conforto e cadeirinha) cresceu 41% em comparação ao mesmo período de 2017.

Risco de vida para todos os ocupantes do carro. É que no caso de uma colisão frontal, as crianças podem ser lançadas para frente com peso multiplicado. Além do menor se machucar, pode vir a lesionar gravemente outros ocupantes.

Dados apontados pelo DataSUS afirmam que, entre 2005 e 2014, as mortes no trânsito na faixa etária de 0 a 4 anos cresceram 66% no Brasil. Nesse segmento, os óbitos saltaram de 119 para 197 ao ano.

Motoristas flagrados com crianças de um a quatro anos no banco de trás sem a cadeirinha, mesmo usando o cinto, respondem a infração gravíssima.

O Observatório Nacional de Segurança Viária salienta outras medidas necessárias ao transportar crianças. Nunca transporte crianças dentro do porta-malas, em pé ou no colo. Mantenha as travas de segurança travadas e opte por carros com Isofix.

Por que alguns condutores negligenciam o uso da cadeirinha?

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), as cadeirinhas e dispositivos de segurança reduzem 70% das mortes em bebês e entre 54% e 80% das mortes de crianças.

A diretora de produtos da Procondutor, Claudia de Moraes, explica que, ainda em 2018, a falta de conhecimento dos motoristas é uma das principais causas para que motoristas deixem de exigir que as os pequenos utilizem a cadeirinha. Isso, é claro, somado ao fato de os condutores negligenciarem que acidentes podem acontecer com qualquer pessoa.

No último feriado, o número de crianças encontradas pela PRF viajando sem a cadeirinha cresceu 41%. Dispositio diminui em até 80% o risco de morte.
Foto Shutterstock | Reprodução

“Assim, além de colocarem a própria vida em risco, colocam também a vida das crianças. Isso porque o transporte delas é de responsabilidade dos motoristas”, conclui.

Para a profissional, é possível mudar o comportamento de muitos condutores. O caminho são as ações educativas, a conscientização. Por se tratar de um assunto tão relevante, a educação no trânsito deveria ser discutida em diferentes momentos da formação educacional do cidadão, ou seja, desde o ensino fundamental até o momento da emissão da CNH.

O que diz o Código de Trânsito Brasileiro sobre a cadeirinha

Os bebês de até nove quilos devem ser transportados no “bebê-conforto”. Depois do primeiro ano de vida, as cadeirinhas se fazem necessárias e, dos quatro aos sete anos, as crianças devem andar no assento de elevação.

  • Art. 64. As crianças com idade inferior a dez anos devem ser transportadas nos bancos traseiros, salvo exceções regulamentadas pelo CONTRAN. Isso com dispositivos de segurança próprios para a idade e peso.
  • A Resolução N.º 277 , de 28 de maio de 2008, acrescenta especificações sobre os dispositivo de retenção para crianças (como a caderinha), que devem ser utilizados até os sete anos de idade.

0 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Deixe um comentário