Câmbio automatizado está beirando a extinção. E já vai tarde!

O câmbio automatizado está com os dias contados. Ele é uma alternativa mais barata em relação ao automático convencional, porém deixa muito a desejar

Por Boris Feldman25/03/19 às 07h30

O câmbio automatizado até fez alguns motoristas pensarem que o sistema era automático de verdade. Mas, durante as trocas de marchas, aos trancos e solavancos, essa ilusão foi por água abaixo. Não é à toa que já beira a extinção.

[TRANSCRIÇÃO]

O câmbio automático durou dezenas de anos. Mas,  aí a eletrônica trouxe o automatizado ou robotizado, que é um câmbio manual, só que um computador controla um pezinho escondido que aperta a embreagem, uma mãozinha escondida que passa as marchas.

Para o motorista é como se fosse um câmbio automático, com uma diferença: a mudança de marchas não é suave, não é agradável, mas vai aos trancos e barrancos, o que determinou o fim do Dualogic, ou GSR da Fiat. Do Easytronic da GM, do Easy-R da Renault e i-Motion na Volkswagen. Foram todos substituídos pelo câmbio automático convencional.

Hoje, restam no mercado o da Fiat: no Mobi, no Argo e no Cronos 1.3. Na Volkswagen: no up!, no Fox e na Spacefox. É praticamente o fim do automatizado. Quer saber? Já vai tarde!

Câmbio automatizado
Avalie o conteúdo:
PéssimoRuimRegularBomExcelente (3 votos, média: 4,00 de 5)
Loading...
Clique na estrela para avaliar.
Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman
5 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Avatar
    Felipe 26 de março de 2019

    Bom dia.
    Acho que vc usou uma visão superficial e generalista para escrever a matéria.
    A grande maioria dos superesportivos usa transmissão automatizada. A transmissão automática, sim, é uma opção mais barata para a demanda atual.
    Transmissão automatizada de dupla embreagem são precisas e não dão os trancos que vc mencionou, tem trocas rápidas e não tiram potência dos carros.

  • Avatar
    Felipe 25 de março de 2019

    Já dirigi automáticos, automatizados e os automatizados de dupla embreagem. Estes últimos são os melhores que já dirigi, agilidade, economia, com os motores turbos atuais, ficam ainda mais dinâmicos.
    Ainda bem que os artigos do Boris são de opiniao, pq é muito carregado parcialidade e opinião nas analises.

    Minha visão, se é uma mão e um pé invisível que trocam a marcha, e não é automático, vc precisa se adaptar a soltar o acelerador um pouco…ou todo mundo troca a marcha mantendo o pé no acelerador pisando na embreagem e soltando o pé da embreagem? Hahahaha não acho que tudo isso seja bom…mas tb é preciso entender se era necessário ensinar o povo a dirigir um automatizado que não é automático

  • Avatar
    Nivaldo 25 de março de 2019

    Boa tarde. Olha rodei por 100 000 Quilômetros com um VW Fox 1.6 I motoin e nunca apresentou problemas e super economia

  • Avatar
    Sergio Hampe Da Poian 25 de março de 2019

    Infelizmente deve ter morrido muita gente com esse infeliz cambio automatizado. Varias vezes entrou em neutro numa ultrapassagem .

  • Avatar
    Ivan guimaraes 25 de março de 2019

    Sou proprietário de fiat 500 adquirido em nov 2018. Na oficina desde dez 2018.Cambio trava e carro morre. Depois q esfria volta. Não identificam o defeito.Troquei de oficina.

Avatar
Deixe um comentário