Parabrisa trincado: além do prejuízo, ponto no prontuário

Trincou o seu para-brisa? Então, cuide-se pois o prejuízo pode ser duplo

Por BORIS FELDMAN18/04/18 às 18h07

Para começo de conversa, a legislação considera a visibilidade do motorista um item de segurança, e um parabrisa trincado pode prejudicá-la. Rodar com o automóvel nessas condições é uma infração considerada grave, com multa de R$ 127,00 e cinco pontos no prontuário.

parabrisa trincado

Entretanto, nem sempre é necessário substituir o parabrisa, que dependendo do carro, pode custar uma “nota preta”. Caso dos importados (e alguns nacionais) mais sofisticados que contam, por exemplo, com o dispositivo automático que aciona os limpadores quando começa a chover. Para detectar a água no vidro, ele tem embutido um sensor que percebe uma distorção ótica, o que aumenta muito o seu custo de fabricação. Além de ser importado e pagar um respeitável valor em impostos. Tem parabrisa que chega a custar a “bagatela” de R$ 15 mil no nosso mercado.

Nos automóveis nacionais mais simples, seu custo é menor e pode ser de R$ 200 ou R$ 300. Qualquer parabrisa trincado, entretanto, admite um reparo desde que a rachadura seja pequena, inferior a um ou dois centímetros. O padrão é colocar sobre ela uma moeda de R$ 1: a trinca não pode ser maior.

Empresas especializadas neste reparo aplicam uma resina e a trinca desaparece, fica praticamente imperceptível. Mas, é impossível reparar o parabrisa com uma trinca de dimensões maiores. Ou se ela estiver numa extremidade do vidro. Outro cuidado: a pequena trinca que pode ser reparada costuma aumentar com o carro em movimento e não permitir mais o conserto alguns dias depois.

A legislação brasileira obriga o uso do parabrisa laminado, ou seja, no caso de receber o impacto de uma pedra, por exemplo, ele não se desmancha em milhares de pequenos pedaços como os vidros laterais. Aparecem apenas grandes trincas que continuam permitindo a visibilidade. Mas, se uma loja especializada oferecer um parabrisa por preço muito barato, bem abaixo da cotação média no mercado, cuidado: tem muito picareta por aí fabricando parabrisa com vidro temperado, o mesmo que vai nas janelas e que, no caso de um impacto, impede a visibilidade. É proibido, mas…

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman

1 Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Lean Morais 16 de outubro de 2018

    Boa tarde,
    Os valores apresentados estão incorretos.
    Sou proprietário de uma empresa de gestão e consultoria de frotas, se precisarem de alguma informação estou a disposição.

Deixe um comentário