[Impressões] Novo Tiguan é “Space”, mas não para “All”

Nova geração do SUV da Volkswagen pode transportar até sete ocupantes, mas espaço na terceira fileira de bancos é reduzido; maior parte dos equipamentos tecnológicos é restrita à versão R-Line

Por Alexandre Carneiro11/04/18 às 13h05

O Tiguan AllSpace, que chega agora ao mercado brasileiro com preços que vão de R$ 124.900 até R$ 179.990, se apoia em dois pilares para se destacar no mercado: espaço interno amplo, incluindo aí a possibilidade de levar até sete ocupantes, e nas traquitanas tecnológicas. Todavia, os dois quesitos merecem algumas ressalvas.

Volkswagen | Divulgação

Ocorre que muitos dos equipamentos mais interessantes do SUV da Volkswagen, incluindo o painel de instrumentos digital com tela de 12,3 polegadas, o seletor de modos de condução (que altera a atuação de acelerador, central eletrônica do câmbio e assistência da direção) e o porta-malas automático (basta, com a chave no bolso, passar o pé sob o para-choque traseiro para a abrir a tampa ou se afastar em até 1,5 m do veículo para fechá-la) são restritos à versão top de linha R-Line.

O Tiguan mais completo traz ainda um verdadeiro arsenal de equipamentos de segurança, entre os quais sistema de detecção de pedestres com frenagem automática caso haja risco iminente de atropelamento, alerta de fadiga capaz de acionar os freios do veículo caso o motorista sofra um “apagão” e a proteção pró-ativa, que fecha os vidros e o teto-solar e aciona os pré-tensionadores dos cintos em situação de potencial acidente. Se a colisão for inevitável, há ainda o sistema de frenagem automática, que imobiliza o carro, para evitar batidas em sequência.

Espaço é bom para cinco, mas limitado para sete

A outra ressalva decorre do fato que que a possibilidade de transportar dois passageiros a mais, que é justamente um dos maiores atrativos do Tiguan AllSpace, também pode acabar não sendo tão vantajosa assim. É que o espaço ali é bastante limitado: atende bem a duas crianças ou a dois adultos em percursos curtos, mas não é recomendável ir muito além disso.

Novo Tiguan pode transportar até sete ocupantes, mas espaço na terceira fileira de bancos é reduzido; maior parte dos equipamentos tecnológicos é restrita à versão R-Line

Como a fileira central de bancos é corrediça, por meio de trilhos, é possível abrir espaço para as pernas dos ocupantes extras sem sacrificar os demais. Mas, mesmo assim, os passageiros do fundão sofrem com os assentos muito baixos, que deixam a postura desconfortável, e com a capota baixa, que faz com que pessoas com mais de 1,70 esbarrem a cabeça no teto.

Os passageiros da terceira fileira de assentos ainda enfrentam com outro problema: os airbags do tipo cortina não chegam até eles. Desse modo, eles não contam com a proteção de nenhum equipamento desse tipo, uma vez que todos os airbags do veículo (são seis: frontais, laterais e os citados do tipo cortina) são voltados para os cinco ocupantes que se acomodam nos bancos dianteiros e central.

Porém, é verdade que, além de desfrutarem de mais segurança, os ocupantes das primeiras fileiras gozam ainda de ótimo espaço. Com os bancos centrais na posição mais recuada, quem se senta ali pode até esticar as pernas. Além do mais, o sistema de rebatimento dos assentos extras é simples, e eles ficam embutidos no assoalho do porta-malas quando estão fora de uso.

Novo Tiguan pode transportar até sete ocupantes, mas espaço na terceira fileira de bancos é reduzido; maior parte dos equipamentos tecnológicos é restrita à versão R-Line

Para a categoria na qual está inserido, o acabamento do Tiguan é não mais que razoável. Painel e forrações das portas dianteiras têm superfícies superiores emborrachadas, macias ao toque, mas, nas portas traseiras, esse revestimento é de plástico.

Novo Tiguan tem boa dinâmica

A reportagem dirigiu a versão de entrada em um breve percurso de aproximadamente 40 km. O crescimento da nova geração causou desconfiança sobre a capacidade do motor 1.4 turbo de movimentá-lo com agilidade, mas esse temor não se conformou. Graças à grande oferta de torque desde as baixas rotações, o SUV é bastante ágil e transmite confiança e ultrapassagens.

O mérito pelo bom desempenho vai, em parte, para o câmbio automatizado DSG, que faz trocas de marchas rápidas e certeiras. Além disso, o sistema é bastante suave e atua sem causar solavancos. Cairia como uma luva em outros veículos da marca, entre os quais o Golf 1.4 TSI, que seguiu o caminho contrário e trocou a transmissão de dupla embreagem por uma automática convencional. Como, no Tiguan, esse sistema é banhado a óleo, não devem ocorrer, ao menos em tese, os problemas que, no passado, acometeram alguns proprietários do hatch, que utilizava embreagens secas.

Fotos Volkswagen | Divulgação

3 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • R-Car 11 de abril de 2018

    Não adianta a volks tentar ser agressiva nessa faixa de preço, o Chevrolet Equinox veio muito forte, bem bonito, com ótimo porte e posicionamento no mercado! Ah, e um BAITA MOTORZÃO.

    • Marcos 7 de agosto de 2018

      Ficou bonita por fora mas comum demais por dento, Tudo preto arcaico e sem graça. Não vale o que custa! Ainda mais que os verdadeiros atrativos(como toda boa arapuca!)só estarão na versão mais cara…Vai continuar na loja!

      • Luis 5 de outubro de 2018

        Não é o que está parecendo, fila de espera de de mais de três meses.

Deixe um comentário