[0 km x usado] Toyota Yaris sedã XL 1.5 AT x Honda Civic LXR 2.0 AT 2015

O recém-lançado Toyota Yaris sedã (versão XL 1.5  AT) compra a briga do seu irmão maior e mede forças com o Honda Civic, mas com três anos de uso

Por Fernando Miragaya29/07/18 às 13h00
Especial para o AutoPapo

Toyota e Honda travam uma rivalidade particular no mundo automotivo, centrada principalmente entre Corolla e Civic. Mas, aqui, a disputa envolve um outro personagem. O recém-lançado Yaris sedã (versão XL 1.5  AT) compra a briga do seu irmão maior e mede forças com o consagrado modelo médio do concorrente, só que com três anos de uso, na configuração XLR. Veja quem se sai melhor em cada quesito do comparativo. Os dois modelos estão na faixa de R$ 68 mil.

Desempenho e prazer ao dirigir

Yaris Civic
3 ★★★☆☆ 4 ★★★★☆

De fato, o Yaris pode ser considerado o meio-termo entre Etios e Corolla – e isso não se resume ao posicionamento de preços. O modelo usa o motor 1.5 do carro de entrada da Toyota no país, só que com potência de 110/105 cv (contra 107/102 cv). E, neste caso, trabalha com a transmissão automática Multidrive do tipo CVT usada no sedã médio. Tal combinação resulta em um desempenho bastante agradável para a cidade, com boa atuação em baixas rotações, aceleração progressiva, sem imprecisões, e suavidade ao rodar. Na estrada, o modelo demora um pouco a embalar em velocidades altas, mas as retomadas surpreendem pela agilidade – ainda mais com a opção de mudanças sequenciais das sete marchas bem simuladas e escalonadas. A direção é precisa e direta, o que beneficia a condução na rodovia e também as manobras.

Há grande interesse do consumidor no Yaris
Imagem ilustrativa: foto da versão XLS (Foto Toyota | Divulgação)

No Civic de nona geração, o motor 2.0 de 155 cv confere destreza ao pacato sedã médio. As arrancadas são comportadas e suficientes para o uso urbano, mas na estrada o modelo rende melhor, com respostas ágeis e bom torque disponível antes mesmo das 3.000 rpm. O câmbio automático de cinco marchas é que apresenta um leve delay entre a terceira e a quarta, e acaba por privilegiar mais a eficiência do conjunto do que propriamente qualquer sopro de empolgação. Nas serras, a boa é usar as aletas atrás do volante para mudanças sequenciais. A direção com assistência elétrica poderia ser um pouco mais firme, mas responde de forma ágil.

Civic já em um carro consagrado no mercado

Segurança

Yaris Civic
3 ★★★☆☆ 3 ★★★☆☆

O carro da Toyota usa a Plataforma B da marca japonesa, com 13 anos de uso e baseada no Yaris feito para mercados emergentes da Ásia. O comportamento dinâmico deixa a desejar nas curvas. A carroceria torce além do desejável e o sedã tende a sair de frente quando mais exigido. A direção, em compensação, mostra firmeza e boa comunicação em velocidades altas na estrada. Em equipamentos, controles de estabilidade e tração, assistente à partida em rampas, Isofix, regulagem de altura dos faróis e retrovisor eletrocrômico são de série em toda a linha. A versão XL, contudo, só tem o airbag duplo obrigatório – apenas a topo XLS (R$ 79.990) ostenta sete bolsas. E a câmera de ré só está disponível a partir da XS (R$ 76.990). Não foi avaliado no Latin NCAP.

O Civic da geração anterior tem plataforma bem acertada, com comportamento dinâmico seguro e rigidez torcional exemplar. Não prega sustos em curvas ou retas na rodovia e só mesmo a direção merecia aquele pesinho maior em velocidades altas. Na parte de equipamentos, no entanto, a LXR 2015 devia em itens de segurança. Só usava os obrigatórios airbag duplo e freios com ABS e sequer levava controles de estabilidade e tração. Pelo menos, tinha câmera de ré e Isofix. Também não foi avaliado no Latin NCAP.

Espaço interno e conforto

Yaris Civic
3 ★★★☆☆ 5 ★★★★★

O Yaris sedã acomoda bem dois adultos e uma criança no banco traseiro, principalmente graças ao assoalho plano. O espaço para pernas dos ocupantes de trás é ok, sem grandes folgas – o carro tem o mesmos 2,55 m de entre-eixos do Etios sedã. Na frente, motorista tem boa ergonomia, só que a posição de dirigir é prejudicada pela ausência de ajuste de profundidade do volante. O espaço para pernas e ombros é suficiente. O nível de acabamento deixa a desejar para um modelo que quer ser compacto premium. É bem melhor que o do irmão menor, porém há excesso de plástico rígido e simplicidade demasiada nas forrações de portas e teto. A suspensão é mais macia e garante o conforto, filtrando bem as imperfeições do piso – o jogo McPherson na frente e eixo de torção atrás foi recalibrado em relação ao modelo asiático para compensar o 1,3 cm a mais na altura do exemplar brasileiro.

Foto Toyota | Divulgação

No Civic o vão para pernas atrás é melhor aproveitado por dois adultos e uma criança – até por ser um carro maior que o modelo da Toyota. Na frente, os ocupantes desfrutam de mais espaço e a posição de dirigir é o ponto alto, com direção com boa pegada, regulagens práticas do banco e do volante e boa parte dos itens de fácil acesso para o motorista. O acabamento segue a racionalidade japonesa, mas é superior ao do Yaris em sofisticação e materiais de melhor qualidade. A suspensão (com jogo independente multibraço atrás) tem acerto meio-termo e só mesmo buracos mais severos se refletem na cabine.

Equipamentos

Yaris Civic
3 ★★★☆☆ 3 ★★★☆☆

A versão XL 1.5 do Yaris sedã segue o trivial da categoria. Além dos itens de segurança já mencionados, é comercializada com ar-condicionado, direção elétrica, trio, computador de bordo, faróis de neblina, rodas de liga leve aro 15”, som com entrada USB, Bluetooth e comandos no volante, ajuste de altura da coluna de direção e do banco do motorista, banco traseiro rebatível e bipartido, controle de cruzeiro e sensor de luminosidade.

O Civic LXR também não empolgava nesse quesito. Era vendido com praticamente os mesmos itens do Yaris, contudo, o ar era automático, as rodas usavam aros de 17”, os bancos eram de couro e havia ajuste de profundidade do volante, além da câmera de ré. Mas, como dito, carecia de itens de segurança.

Desvalorização

Yaris Civic
5 ★★★★★ 4 ★★★★☆

O Yaris acabou de ser lançado, mas a desvalorização de quem já tirou o carro da concessionária, segundo a Fipe, é de razoáveis 8,4%. Modelos da Toyota, porém, costumam ter perdas menores e ótima liquidez. O Civic em questão é da nona geração (a décima chegou em 2016) e tende a desvalorizar mais nos próximos anos. A perda, de acordo com a Fipe, fica em 9,6%, mas é um carro com ótima reputação e fácil de vender.

Manutenção e pós-venda

Yaris Civic
4 ★★★★☆ 3 ★★★☆☆

Ambas as marcas têm fama de produzirem carros que não dão problema. No caso do Yaris sedã, as revisões com preço fixo até os 60.000 km são competitivas, com um total de R$ 2.914. Nas peças, os valores estão dentro da categoria e só mesmo os componentes externos incomodam. O farol custa R$ 954, a lanterna traseira sai por R$ 840 e o retrovisor tem preço de R$ 509, enquanto o jogo de amortecedores traseiros cobra R$ 56 e o kit de pastilhas de freio, R$ 299.

No Civic ainda em fim de garantia, as revisões periódicas são mais caras e as de 40.000 a 60.000 km somam R$ 3.058. As peças também são um pouco salgadas, como farol (R$ 1.429), lanterna (R$ 610) e retrovisor (R$ 793). Em compensação, o jogo de amortecedores traseiros custa R$ 359, enquanto o kit de pastilhas tem preço de R$ 342.

Consumo

Yaris Civic
4 ★★★★☆ 4 ★★★★☆

De acordo com o Inmetro, o Yaris sedã faz médias com etanol de 8,9 km/l na cidade e de 10,6 km/l, na estrada. Com gasolina, as médias ficam em 13,0 km/l e 14,4 km/l. O do Civic, obviamente, bebe mais, só que rende bem na estrada para um 2.0: 6,4 km/l e 9,4 km/l com álcool e 9,7 e 13,8, com gasolina.

Porta-malas

Yaris Civic
3 ★★★☆☆ 3 ★★★☆☆

O 473 litros de volume do Yaris sedã são interessantes e acomodam bem duas malas grandes, porém, se comparado aos rivais do segmento, perde em capacidade. O espaço para bagagens do Civic é de fácil acesso, mas fica em apenas 449 litros, também um dos menores da categoria de médios na época.

Veredicto

Yaris Civic
28 29

Os dois modelos têm propostas bem similares e, por isso, a vitória na conta do Civic é compreensível. Para quem quer um Toyota zero quilômetro, mas não tem bala para encarar um Corolla e não aguenta o desenho e o acabamento do Etios, o Yaris acena com conjunto mecânico eficiente e conforto no rodar. O Civic LXR usado, por sua vez, também privilegia o conforto, mas oferece doses a mais de desempenho e nível de refinamento e de conforto mais apurados, além do status de sedã médio.

2 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • ADRIANO RAMOS VIEIRA 30 de agosto de 2018

    bem isso mesmo
    estava pensando em pegar um yaris mais comecei a ver muitos videos sobre ele e vi que pelo preço não compensaria não então volei para meu primeiro sonho do civic que e exatamente igual a esse ai da materia azul que caiu do ceu para mim
    estou muito feliz com minha escolha…
    e tambem porque sou feliz proprietario de um etios 1.3x aut 17/18 a 9 meses uso para trabalhar
    carro tambem fantastico. não penso em vende lo e o civic apenas para passeios e viagens

  • Antonio Lima 29 de julho de 2018

    Não sou muito fã do Civic, mas conheço muito bem esse mortorzinho do Yaris através do Étios… Desempenho muito fraco. Com quatro pessoas e o ar ligado, o carro morre! Então fico com o Cívic…

Deixe um comentário