7 hábitos comuns do motorista que devem ser banidos

A culpa é da fábrica, da concessionária, do governo, do posto, da loja, da estrada. Nunca daquela "famosa peça" entre o volante e o banco

Por BORIS FELDMAN16/03/18 às 09h43

Alguns vícios e hábitos adquiridos por motoristas podem ser extremamente prejudiciais tanto para ele quanto para o automóvel. Alguns colocam o motorista – e outras pessoas – em perigo. Outros provocam desgaste mecânico que vão te causar prejuízo em breve. Listamos sete desses hábitos que devem ser banidos. Confira!

Motorista x sono

Não adianta o motorista na estrada achar que espanta o sono, pois acabará irremediavelmente nocauteado por ele. Não é por acaso que alguns automóveis mais modernos e sofisticados detectam sua sonolência e acendem um aviso no painel, acompanhado de uma xícara de café… Motoristas mais experientes nem tentam: quando percebem o sono chegando, encostam no primeiro lugar seguro, como um posto, para uma cochilada. Uma soneca de meia hora costuma reabilitar o motorista para mais algumas horas ao volante.

Pé na embreagem

Outro vicio é o péssimo hábito do pé apoiado no pedal da embreagem e a mão na alavanca de mudanças. Quando alertados, juram que só encostam o pé (ou a mão) sem acioná-los. Engano: qualquer trepidação ou pequeno solavanco é suficiente para que sejam acionados imperceptivelmente. Não é à toa que muitos automóveis são projetados com um apoia-pé à esquerda da pedaleira.

Braço do lado de fora

Motorista nem imagina o risco que corre ao dirigir com o braço esquerdo dependurado fora da porta. Muitos já sofreram ferimentos graves e foram parar no Pronto Socorro por esta inexplicável mania. Outro perigo é dirigir na estrada com os vidros abertos: além de outros riscos, se o carro se envolve num acidente e capota, o braço (esquerdo) do motorista ou (direito) do passageiro podem se movimentar para fora e serem atingidos – ou até esmagados pela carroceria. É por isto que modelos mais modernos e sofisticados, ao detectar a possibilidade de um capotamento, entre outras providências, fecham o teto solar e os vidros.

Ladeira abaixo

Quantos carros já desceram sozinhos ladeira abaixo sem motorista ao volante e provocaram acidentes graves? Logo depois, a cena habitual: o dono do carro que chega apavorado jurando que puxou o freio de mão. Mas, se o carro desceu sozinho é porque se esqueceu de engatar primeira ou ré. E, se puxou o freio, não o fez com muita força, como manda o figurino. Mas, por que exagerar o esforço ao puxar a alavanca do freio de estacionamento? Porque, ao ser estacionado, os componentes do freio estavam aquecidos e dilatados. Minutos depois, quando esfriam e “encolhem”, não travam mais as rodas caso a alavanca não tenha sido acionada com muita força.

Recirculação perigosa

Ar-condicionado está se popularizando. Além do conforto virou item de segurança, pois permite manter os vidros fechados. Um de seus comandos é um botão que tem desenhado um círculo com uma seta. Ele bloqueia a troca do ar ambiente com o externo e deve ser acionado em locais com muita poeira ou fumaça – e também atrás de um caminhão expelindo uma nuvem preta de fuligem. Ou para acelerar a refrigeração do carro muito aquecido. Entretanto, a maioria dos motoristas não percebe o perigo de manter este comando acionado durante horas. Com as janelas fechadas e a troca entre os ambientes externo e interno bloqueada, o ar do habitáculo ficará viciado e contaminado com o gás carbônico expelido pelos passageiros, o que é nocivo à saúde.

Remédio e direção

Motorista que faz uso de remédio tarja preta (ansiolíticos, antidepressivos e outros) pode ter prejudicada sua atenção ao volante, perder concentração, rapidez de reflexos, coordenação motora e avaliação de riscos. O mais grave – e que poucos imaginam – é que remédios simples e vendidos sem controle (antigripais, antialérgicos e analgésicos) também causam reações adversas, pois contêm anti-histamínicos que causam sonolência e tonturas.

Que habilidade, hein?! (Só que não!)

Tem motorista que se sente um ás ao volante (ou “asno”?) por sua extraordinária coordenação motora. Ao parar numa subida, controla a embreagem e o acelerador para manter o carro parado sem pisar no freio. Depois vai à concessionária exigir garantia do disco de embreagem que se desgastou na metade do tempo previsto…

hábitos podem ser prejudiciais ao motorista e ao carro
(Fabiano Azevedo/AutoPapo)

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman

2 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Mandovi Braz Roch 27 de fevereiro de 2018

    Estimado Bóris, por bondade, comentar sobre a sinalização vertical, horizintal, acústica… Placa de 30 km por hora perto de hospital é para obedecer? Só na frente dela? Colar adesivos de Whatsapp na parte posterior das placas… Não precisa mais abordar. Infração sem guarda abordando continua infração, ação infra, baixa. Golpe baixo do infrator contra a sociedade. Educação pelo Bolso.

Deixe um comentário