Ursal: 20 carros que poderíamos comprar na grande nação

O plano de uma grande nação socialista na América Latina foi revelado, mas até que não seria uma má ideia para quem curte carros diferentes

Por Fernando Miragaya13/08/18 às 14h28
Especial para o AutoPapo

Nos últimos dias um candidato à presidência atiçou até os seguidores mais fiéis do Arquivo X ao revelar a existência da Ursal, um plano bolchevique para unir os países latino-americanos em uma única nação.

Devaneios à parte, a tal conjuntura poderia trazer para a realidade brasileira carros interessantes que são importados e vendidos em nossos países vizinhos. E que nunca vêm para cá por alegações que vão desde imposto até logística – fora o fato de e que em muitos desses países a importação é isenta de alíquotas e várias marcas têm representações independentes. Selecionamos 20 modelos só da América do Sul e por razões tão variadas quanto a cultura multifacetada que seria a Ursal. Tem esportivo, cupê, SUV gigantesco, jipe hipster, subcompacto e elétrico que poderiam invadir nossas ruas, seja para o proletário dominar os meios de produção, ou para a classe dominante usufruir de mais bens de consumo.

Volkswagen Golf R

Golf é vendido no Chile e estaria na Ursal

Baba pelo Golf GTI vendido no Brasil? Pois no Chile tem uma versão muito (mais muito) mais arrojada. Trata-se do Golf R, a variante nervosa do hatch médio com o mesmo motor 2.0, só que esbanjando 310 cv de potência. O modelo usa o câmbio automatizado DSG, de dupla embreagem e sete marchas, tração integral e tem cinco modos de condução. O 0 a 100 km/h, segundo a VW, é feito em 4,6 segundos. No mercado chileno, trava uma briga bacana com o Focus RS de 350 cv. Afinal, integrantes da Ursal também querem andar rápido!

Chevrolet Traverse

Se você acha que o TrailBlazer é grande, é porque não o colocou lado a lado com o Traverse. O SUV vendido no Chile, Colômbia e Peru tem 5,18 m de comprimento e 3,07 m de entre-eixos, o que proporciona espaço interno digno dos utilitários norte-americanos, com configurações de sete e oito lugares e toda a sorte de porta-trecos. O motor é o 3.6 de 305 cv aliado às caixa automática de nove marchas, com tração que pode ser dianteira ou integral. Precisa de mais espaço? Bem, tem a Suburban com seus 5,69 m de comprimento e 3,30 m de entre-eixos…

Hyundai Ioniq

O Uruguai liberou o uso da maconha e aprovou o casamento gay. O pequeno país também importa um montão de carros, entre eles o Ioniq, a resposta da Hyundai para o Prius. O hatch médio usa conjunto híbrido que une o Kappa 1.6 com injeção direta a um motor elétrico. A potência combinada é de 141 cv e o modelo é equipado com o câmbio automatizado de dupla embreagem e seis marchas EcoShift DCT. A promessa é de um consumo sensacional de 25,6 km/l.

Peugeot 301

Talvez a marca vivesse melhores dias com suas planilhas de vendas se tivesse produzido esse sedã para mercados emergentes no Brasil. Em 2013, o diretor mundial de desenvolvimento da PSA Peugeot Citroën, Gilles Le Borgne, chegou a confirmar a fabricação do carro em Porto Real (RJ), que, com a plataforma do 208 e 2,65 m de entre-eixos, teria condições ótimas para brigar no segmento de sedãs compactos com espaço de médio (VW Virtus, Fiat Cronos, Nissan Versa, Chevrolet Cobalt…). O 301, porém, é só realidade na vizinhança, importado da Espanha.

Toyota Agya

O carrinho de 3,66 m de comprimento e com vão livre do solo de 18 cm desembarcou recentemente no Peru. Trata-se de projeto da Daihatsu (marca pertencente à Toyota) e desenvolvido inicialmente na Indonésia. No mercado peruano, chega sempre com motor 1.0 três cilindros de 65 cv. Aqui, poderia usar a boa reputação da marca japonesa para rivalizar com VW Up!, Renault Kwid e Fiat Mobi.

Ford S-Max

Para quem tem saudades das minivans, cada vez mais raras no Brasil, a Argentina importa da Espanha a segunda geração da S-Max, monovolume baseado no Fusion europeu, que por lá chama-se Mondeo. Com sete lugares, o automóvel chegaria na Ursal com nove airbags, controles de estabilidade, tração e de subidas, bancos dobráveis e configuráveis. Dependendo da versão, tem banco do motorista com ajustes elétricos e massageador, volante com aquecimento e teto panorâmico. Usa motor Ecoboost de 240 cv. Seria uma rival da Honda Odyssey, mas essa só é encontrada na Colômbia e no Uruguai…

Honda Pilot

O Pilot vai além de modelos como HR-V e CR-V na proposta de ser um SUV com apelo genuinamente familiar. Nos países da Ursal, ele é comercializado no Chile, Colômbia, Peru e Uruguai, tem 4,91 m de comprimento, 2,81 m de entre-eixos, opção de sete lugares e muitos equipamentos. O porta-malas tem capacidade para 847 litros com os bancos extras rebatidos. Já o motor é o 3.5 V6 de 280 cv.

Mazda MX-5

A marca japonesa tem modelos emblemáticos, mas é apenas uma lembrança para os brasileiros desde que encerrou suas atividades no país, em 2001. Quem não se lembra do Miata? Pois bem, sua quarta geração é encontrada no Chile e na Colômbia como MX-5. O roadster de tração traseira, usa motor 2.0 de 158 cv que bebe gasolina de alta octanagem e com tecnologia Skyactiv – segundo a Mazda, uma série de tecnologias e mudanças que reduz atrito, peso e melhoram a eficiência do conjunto.

Renault Clio RS

Os irmãos chilenos da Ursal se dão bem quando o assunto é hot hatch. Eles têm a versão encapetada do Clio de quarta geração, desenvolvida pela Renault Sport, com motor 1.6 turbo de 200 cv e torque de 24,4 kgfm a 1.750 rpm, aliado ao câmbio automatizado de dupla embreagem e seis marchas. Segundo a marca, o 0-100 km/h é cumprido em 6,7 s e a máxima chega a 230 km/h. O compacto também tem detalhes arrojados no desenho, como rodas com aros de 18”, pneus Dunlop Sport 205/40R18, difusor traseiro, para-choques com entradas de ar maiores e com emblemas F1, bancos esportivos reforçados, entre outros.

Suzuki Ignis

No Brasil, a marca tem portfólio enxuto, ao contrário de boa parte dos países da América do Sul. Entre as diversas opções de carros de passeio, SUVs e minivans, a segunda geração do Ignis chama a atenção pelo seu porte de hatch parrudo que lembra um jipinho. O modelo – cuja primeira geração foi importada para o Brasil entre 2002 e 2003 – tem 3,70 m de comprimento, 18 cm de altura livre do solo, menos de 900 kg, opção de tração 4×4 e motor 1.2 de 82 cv.

Fiat Qubo Dynamic

Para quem curte o estilo excêntrico de carrocinha de cachorro-quente do Doblò, Renault Kangoo, Citroën Berlingo e afins, o Chile importa o Qubo. A multivan compacta é a versão de passageiros do Fiorino europeu. O modelo traz portas laterais corrediças e uma enorme capacidade de 2.500 litros com os bancos traseiros rebatidos e bagagem até o teto.

Nissan 370Z

A linhagem Z da marca japonesa tem espaço em concessionárias do Uruguai e da Colômbia – chegou a ser oferecido no Brasil entre 2011 e 2013, mas sem muito alarde. O cupê esportivo já tem 10 anos de vida, é verdade, porém continua a despertar cobiça com seu design limpo e o ronco alto do V6 com seus 337 cv. A suspensão e partes da estrutura de alumínio mantêm o peso em 1.500 kg. A tração traseira e o entre-eixos curto garantem o complemento de esportividade.

Renault Twizzy e ZOE

Elétricos devem virar realidade no Brasil com o Rota 2030, mas muitos modelos da Renault já são vendidos normalmente na vizinhança. Só na Colômbia, a marca comercializa o divertido Twizzy. O quadriciclo leva duas pessoas, chega à máxima de 80 km/h e tem autonomia de 100 km. A recarga é prometida em 3h em uma tomada 220V. Outro modelo elétrico, só que mais confortável, é o Zoe. O hatch promete autonomia de até 300 km e kit de recarga rápida.

Ford Expedition

Outros daqueles SUVs gigantes, exibe seus mais de 5,30 metros de comprimento em mercados do Chile, Colômbia e Peru. Com oito lugares e mais de 2,5 toneladas, usa o motor 3.5 V6 de 375 cv de potência da família Ecoboost, e tração integral. Entre os equipamentos, pedais com ajustes elétricos e câmera 360 graus. Para os chilenos, ainda há a versão 4×2 XLT menos equipada, mas com 5,63 m de comprimento e 3,64 m de entre-eixos.

Chevrolet Spark GT

Chevrolet Spark GT

Projeto sul-coreano da General Motors nascido como Daewoo Matiz, está em sua terceira geração. No Chile, Colômbia e Peru o subcompacto de 3,63 m de comprimento é vendido como Spark GT e usa motor 1.2 16V de 80 cv. Na Colômbia, a geração antiga do Spark ainda é comercializada sob diferentes nomes: Spark Life (hatch) e Beat (variante sedã).

Mitsubishi Mirage

2017 Mirage GT

Quando a gente pensa em Mitsubishi no Brasil lembra de picapes e utilitários esportivos… e do Lancer como solitário automóvel de passeio. Nos países sulamericanos, há opções de hatches, sedãs e minivans. Uruguai, Peru e Chile, por exemplo, importam o Mirage, linha compacta (do porte de VW Gol e Voyage) com motor 1.2 de 76 cv e opções de câmbio manual de cinco marchas ou automático do tipo CVT. Chilenos e peruanos só dirigem a versão dois volumes, enquanto o Uruguai só dispõe da variante sedã.

Peugeot 308 SW

As stations wagons perderam o posto de carro familiar de vez para os SUVs e as peruas médias praticamente sumiram do Brasil. No Uruguai, pelo menos, há um foco de resistência para salvá-las da extinção. Lá é vendida a estilosa 308 SW, já baseada na nova geração do modelo médio. Entre os destaques, o i-Cockpit (com o volante de base chata destacado do quadro de instrumentos), teto panorâmico e 660 litros de capacidade no porta-malas.

Toyota FJ Cruiser

2011 Toyota FJ Cruiser

O trio Chile, Colômbia e Peru tem outro SUV diferentão para curtir. Mas é preciso correr, porque o FJ Cruiser, modelo retrô da marca japonesa, já teve sua produção encerrada e as filiais sulamericanas comercializam séries especiais dos últimos exemplares. O estilo quadradinho chama a atenção, assim como as portas traseiras do tipo suicida e a ausência de coluna central. O motor 4.0 V6 gera 268 cv e 38,7 kgfm de torque. A capacidade fora de estrada é assegurada pelos ângulos de ataque e saída (34 e 31 graus, respectivamente), vão livre do solo de 24 cm e tração 4×4.

Citroën C-Elysée

Outro sedã com espaço de médio mas posicionamento de compacto que é vendido em vários vizinhos (Argentina, Chile, Colômbia, Peru e Uruguai). O C-Elysée é a versão da Citroën para o Peugeot 301, com quem compartilha plataforma. As dimensões são bem parecidas com as do meio-irmão, com 2,65 m de entre-eixos e porta-malas com volume para 506 litros. Na Argentina, é vendido com opções de motores 1.6 a gasolina ou a diesel.

Nissan Juke

Nissan Juke...

Muita gente torce para o excêntrico utilitário esportivo da Nissan ser vendido no Brasil. Mas o diferentão Juke – com sua carroceria toda talhada, conjunto ótico destacado e traseira inspirada no 370Z – estaria na Ursal por meio da Colômbia e da Venezuela. Ele tem motor 1.6 turbo de 188 cv e transmissão manual de seis marchas. Chega com chave presencial, botão start para ligar o carro e suspensão traseira multibraço.

5 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Rodrigo Couto 13 de agosto de 2018

    Muito boa a matéria, mas faltou as picapes que são vendidas no Chile e Argentina (Ford e GM) que nao tem em nosso portfólio !!!!

  • Luiz 15 de agosto de 2018

    Quem disse q numa “grande nação comunista” teria carro importado? Quantos importados tinham na URSS? Gancho bem burro p uma materia.

    • Alexandre Carneiro
      AutoPapo 15 de agosto de 2018

      Caro Luiz, é uma matéria em tom de brincadeira, sobre um tema (no caso, a Ursal) que não passa de boato.
      Abraço!

      • marcus 19 de outubro de 2018

        Eu nunca ouvi falar nessa URSAL. Mas, se houvesse uma união dos países Sul Americanos, não seria ruim.

  • Alex 15 de agosto de 2018

    Que coisa né… olha só quanto carro bacana poderíamos ter aqui… isso que só foram mostrados alguns, pois existem muitos outros… Êêê Brasilzão…

Deixe um comentário