Peça em falta ou cara? Veja 15 marcas diferentes que têm o mesmo motor

Na indústria automobilística, o compartilhamento de tecnologias, incluindo sistemas de propulsão, é mais comum do que parece

Por Alexandre Carneiro18/08/18 às 10h03

Você tem um carro da marca Peugeot? Pois saiba que a mecânica dele pode ter sido fabricado pela Renault. Assim como existem modelos da marca Fiat com propulsor Chevrolet e até alguns Volvo com powertrain Ford. Acredite: na indústria automobilística, o compartilhamento de tecnologias é mais comum do que parece, de modo que o mesmo motor muitas vezes é instalado sob os capôs de carros que aparentemente não têm qualquer relação.

Isso tem um lado bom: na hora do conserto, dependendo da peça, é possível utilizar determinados componentes de outro fabricante, sem problema algum, caso o preço dela seja mais barato. Veja 15 exemplos litados pelo AutoPapo:

1. Jeep com motor Fiat (e vice-versa)

Carros de marcas distintas com o mesmo motor: Fiat Toro
Foto Fiat | Divulgação

Desde 2014, Fiat e Jeep se uniram, dando origem ao conglomerado conhecido como FCA. Isso, claro, resultou no compartilhamento de plataformas, transmissões e motores entre veículos de diferentes marcas do grupo. No Brasil não é diferente: a unidade 1.8 16V da marca italiana, da família E.torQ, que equipa Argo, Cronos e Toro, também está presente sob o capô das versões de entrada do Jeep Renegade.

A coisa não para por aí: Toro e Renegade também compartilham um 2.0 turbodiesel, chamado de Multijet, de origem Fiat, que movimenta ainda o Jeep Compass. Por outro lado, o 2.4 Tigershark que equipa algumas versões da Toro, e que, em uma versão mais antiga, já esteve presente também no Freemont, tem origem Chrysler: o mesmo motor, mas com capacidade cúbica reduzida para 2.0, equipa as configurações de entrada do Compass.

2. Fiat com motor Chevrolet

No início deste século, Fiat e GM já foram parceiras: a empresa norte-americana deteve parte das ações da italiana, o que resultou no compartilhamento de alguns componentes. No Brasil, as duas dividiram um motor 1.8 de origem Chevrolet, o chamado Família I, que equipou simultaneamente a linha Corsa, incluindo Montana e Meriva, e a gama Palio, da qual fazem parte Strada e Siena, além de Punto, Doblò, Idea e Stilo.

Com a chegada dos propulsores E.torQ e o fim da associação entre as duas multinacionais, o motor em questão voltou a ser usado apenas em automóveis Chevrolet. Atualmente, uma versão atualizada dele está presente nos modelos Cobalt e Spin.

3. Daewoo com motor Chevrolet

Em meados dos anos 90, o mercado brasileiro sofreu uma reviravolta com a abertura das importações. De uma hora para outra, dezenas de marcas até então desconhecidas para os consumidores passaram a ser oferecidas por aqui. Entre elas, estava a sul-coreana Daewoo, que vendeu carros como Espero e Cielo, diretamente derivados do Vectra de primeira geração e do Kadett, respectivamente, inclusive na mecânica.

A alta do  dólar e do IPI fez com que várias dessas empresas encerrassem suas atividades locais, inclusive a Daewoo, que posteriormente fechou as portas no mundo todo. Pelo menos os donos desses modelos puderam utilizar peças mecânicas dos similares da GM.

4. Mesmo motor em Hyundai e Kia

Muita gente não sabe, mas Kia faz parte do Hyundai Motor Group, o maior conglomerado automotivo da Coreia do Sul. Não surpreende portanto, que as duas marcas utilizem componentes mecânicos idênticos, entre os quais propulsores. Só para ficar nos exemplos mais óbvios, o HB20 compartilha o motor 1.0 com o Picanto e o 1.6 com o Cerato.

5. Renault com motor Nissan (e vice-versa)

Carros de marcas distintas com o mesmo motor: Renault Captur
Foto Renault | Divulgação

Já ouviu falar na Aliança Renault-Nissan? Pois é ela que permite que as duas fabricantes desenvolvam tecnologias em conjunto, para reduzir custos. É esse acordo que faz com que o sedã Sentra compartilhe seu motor 2.0 com o rival Fluence.

Os motores da linha SCe que marca francesa adotou em 2016 – no caso, um 1.0 de três cilindros e 12 válvulas e um 1.6 de quatro cilindros e 16V – também são originários da marca japonesa: atualmente, eles equipam Kwid, Sandero, Logan, Duster, Captur, March, Versa e Kicks.

Mas o contrário também já aconteceu: a descontinuada Nissan Livina utilizava, em suas versões de entrada, um 1.6 16V originário da Renault. As versões 1.8 tinham mecânica diferente, produzida pelo próprio fabricante japonês.

6. Peugeot com motor Renault

Quando a Peugeot nacionalizou a linha 206, em 2001, não havia motor 1.0 disponível: as unidades importadas para o Brasil até então dispunham de um 1.6, ao passo que, no resto do mundo, as opções começavam com um bloco 1.1.

Recém-instalada no país e necessitando de um motor de baixa cilindrada para seu compacto, a marca francesa acabou recorrendo à arquirrival Renault, que passou a fornecer o powertrain 1.0 16V do Clio, feito em São José dos Pinhais (PR). O contrato de fornecimento acabou em 2004, quando a Peugeot iniciou a fabricação local de um propulsor 1.4.

7. Mesmo motor em Peugeot e Citroën

Há décadas as duas marcas francesas não têm mais linhas distintas de motores: desde que se uniram, no fim dos anos 70, resultando no Grupo Peugeot-Citroën (PSA), desenvolvem projetos e tecnologias em conjunto. Por isso, o C3 e o 208, assim como C4 Lounge e 408, além de C4 Grand Picasso e 5008 têm o mesmo motor  e componentes mecânicos idênticos, para ficar apenas em alguns exemplos atuais.

8. BMW com motor Peugeot-Citroën (e vice-versa)

O motor Prince , também chamado de 1.6 THP (sigla para Turbo High Pressure), que equipa os automóveis mais sofisticados das linha Peugeot (308, 408, 3008 e 5008) e Citroën (C4 Lounge e C4 Grand Picasso) foi desenvolvido em conjunto com a BMW, por meio de uma parceria. Por isso, ele também esteve presente sob o capô de produtos das Marcas Mini e BMW, como o Cooper e o Série 1.

9. Mesmo motor em Mini e BMW

Ainda hoje, a Mini gosta de associar sua imagem à Inglaterra, sua terra natal. Todavia, de britânica a marca só tem a origem, uma vez que passou a ser controlada pela alemã BMW em 1994. Desde então, carros das duas empresas utilizam arquitetura e mecânica semelhantes. É o caso, por exemplo, do motor 2.0 turbo de quatro cilindros, que atualmente move desde o Cooper até o Série 3.

10. Mesmo motor em Toyota e Lexus

Carros de marcas distintas com o mesmo motor: Lexus CT200h
Foto Lexus | Divulgação

A Lexus nasceu por iniciativa da própria Toyota, que precisava de uma marca premium. Logo, adivinhe? Sim, elas têm toda a parte mecânica em comum. Um bom exemplo é o CT200h, cuja propulsão híbrida, formada por motores elétrico e 1.8 a combustão, é praticamente idêntica à do Prius.

11. Volvo, Jaguar e Land Rover com motor Ford

O Grupo Ford já foi proprietário das marcas Volvo, Jaguar e Land Rover. É verdade que isso não durou muito: a primeira foi vendida para a chinesa Geely, enquanto as outras duas passaram a integrar a indiana Tata Motors. Mas o negócio permitiu o compartilhamento de propulsores e plataformas.

No Brasil, o Volvo C30 utilizou um 2.0 16V aspirado que, simultaneamente, equipava o Focus. Uma versão atualizada e turboalimentada do mesmo motor equipou Fusion, Range Rover Evoque e Jaguar XE, entre outros modelos.

12. Troller com motor Ford

Nascida como fabricante independente, a Troller foi absorvida pela Ford em 2014. Desde então, o jipe T4 traz o mesmo motor a diesel da picape Ranger. A atual geração vem com um 3.2 de cinco cilindros capaz de gerar 200 cv de potência.

13. Ford com motor Volkswagen (e vice-versa)

Talvez a Autolatina, que uniu Volkswagen e Ford na América do Sul, seja a associação mais lembrada pelos brasileiros. Pudera: entre 1987 e 1996, as duas empresas unificaram vários componentes e até alguns produtos de suas gamas nacionais. Motores AP-1.600, AP-1.800 e AP-2.000 da marca alemã equiparam diversos modelos da então parceira norte-americana, entre os quais Escort, Verona, Del Rey, Belina, Pampa, Versailles e Royale.

A situação contrária também aconteceu, embora em menor escala. A linha Gol utilizou os motores Ford CHT, rebatizados de AE-1.000 e AE-1.600. O fim da associação fez com que ambas as empresas tivessem que fazer profundas alterações em suas linhas de produtos.

14. Mesmo motor em Audi e Volkswagen 

Não é segredo que a Audi, há décadas, faz parte do Grupo Volkswagen. Nada mais natural, portanto, que o mesmo motor equipe veículos das duas marcas. A4 e Golf, por exemplo, utilizam semelhantes unidades 1.4 e 2.0 com injeção direta e turbocompressor.

15. Audi com motor Lamborghini

Carros de marcas distintas com o mesmo motor: Audi R8 V10
Foto Audi | Divulgação

O Grupo Volkswagen também é dono da Lamborghini, e a fabricante de superesportivos não ficou de fora do troca-troca de motores. Tanto que bloco 5.2 V10, desenvolvido para o modelo Gallardo, cuja potência máxima é de estonteantes 560 cv, foi parar nas versões top de linha do R8.

18 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • JOAO VICENTE 20 de agosto de 2018

    O E-Torq, salvo engano, é um motor originado da joint venture Tritec (BMW e Chrysler), tendo chegado a equipar os Mini.

    Será que se pode chamar isso de compartilhamento?!

  • Lothar Werninghaus 20 de agosto de 2018

    Não cometam a gafe de dizer que Lambo e R8 tem o mesmo motor V10 5.2. A distância entre o centro dos cilindros do R8, desenvolvido pela Audi, é de 85mm. Os da Lambo 95. A física é um juiz implacável está diferença interfere inclusive no tempo de elevação de giro do motor. Favor informar se direito antes de fazer FAKE NEWS. Abraço.

    • Leandro Gonçalves de Oliveira 20 de agosto de 2018

      Audi R8 ganha motor da Lamborghini Gallardo
      Está na revista auto esporte

  • Luciano 19 de agosto de 2018

    O motor Maxion 2.5 diesel equipa veículos da Ford, Chevrolet, Mercedes Benz e Land Rover.

  • EZ 19 de agosto de 2018

    1 kit bobina dianteiro e traseiro magnetic marelli por 2.000 mil reais tem que ser bom mesmo

  • Graco 19 de agosto de 2018

    Interessante reportagem. Lembrei também que a Volvo utilizou motores Yamaha V8, por sinal bastante premiada mundialmente essa unidade motriz. A Yamaha também desenvolve e fornece mortes para a Toyota desde a década de 60.

    • JEISON TORRES CORDEIRO 19 de agosto de 2018

      Então quer dizer que a Honda oferece mortes com a Titan, e a yamaha vida terceiros tipo a volvo?

      • JEISON TORRES CORDEIRO 19 de agosto de 2018

        *** corrigindo o gracejo…
        Então quer dizer que a Honda oferece mortes com a Titan, e a yamaha VIA terceiros tipo a volvo?

  • Renato Ferdasi 18 de agosto de 2018

    ERRO: O motor 1.6 16v, assim como os motores 1.8 16v do Nissan Livina não são de irigem Renault! Desde o lançamento, além da própria Nissan e revistas especializadas afirmaram se tratar de uma unidade originária da Nissan, não havendo associação com a Renault.

    • Mário Cardoso serralvo 19 de agosto de 2018

      O motor 1,6 16 v. Na Livina e da Renault

    • JEISON TORRES CORDEIRO 19 de agosto de 2018

      Trabalhei na fábrica e lembro que pelo menos o 1.6 era da Renault, e equipava os Sandero na época…

    • Alexandre Carneiro
      AutoPapo 19 de agosto de 2018

      Lá, Renato!
      Caro, você está equivocado. O motor 1.6 da Livina é sim Renault, e essa informação foi sim divulgada pelos meios de comunicação na época do lançamento. Já o 1.8 16V que equipava as versões mais caras era da própria Nissan, como foi dito no texto.
      Abraço e obrigado por comentar!

  • Marcelo Duarte 18 de agosto de 2018

    Motor é Honda!

    • EZ 19 de agosto de 2018

      1 kit bobina dianteiro e traseiro magnetic marelli por 2.000 mil reais tem que ser bom mesmo

  • Wendel 18 de agosto de 2018

    Essa reportagem poderia ser reduzida a metade. Pois a Na lista motores de montadoras do mesmo grupo, sendo óbvio o compartilhamento de motores….

    • Alexandre Carneiro
      AutoPapo 19 de agosto de 2018

      Caro Wendel
      Um tema torna-se óbvio apenas para quem o domina, certo? Acredite: muita gente desconhece as parcerias e associações da indústria de veículos e não faz ideia que algumas marcas pertencem ao mesmo grupo. Por isso, é importante lembrar algumas informações, ainda que elas já sejam conhecidas pelos leitores mais familiarizados com o setor automotivo.
      Abraço e obrigado por comentar.

  • Sergio 18 de agosto de 2018

    Em 1999 andava com uma Fiat punto 1.9 diesel com motor Peugeot

    • JEISON TORRES CORDEIRO 19 de agosto de 2018

      Fora do Brasil né?
      Dentro da fábrica da Nissan Renault em “Curitiba” andávamos de Megane Gran tour a diesel, mas só dentro da fábrica…

Deixe um comentário