Renault Zoe: dirigi um carro elétrico pela primeira vez

Dei uma volta no francês e conto todos os diferencias de andar em um elétrico, desde o torque imediato até a independência dos postos de combustível

Por Bárbara Angelo 28/04/19 às 15h05

Durante o evento de abertura de um novo espaço de inovação da Renault dentro do Itaú Cubo, em São Paulo, tive a oportunidade de dirigir o Renault Zoe. O carro elétrico foi lançado no Brasil durante o Salão de São Paulo, no ano passado. Atualmente, ele é o segundo elétrico mais acessível do país, sendo oferecido por R$ 149.990.

Foi a primeira vez que conduzi um veículo do tipo, e eu estava preparada para ter uma experiência revolucionária se comparada a dirigir o velho conhecido carro a combustão. A verdade é que, imediatamente, não notei tantas diferenças como pode-se imaginar. Penso que na prática, cotidianamente e já acostumado, o motorista pode até esquecer que seu carro é elétrico.

Ainda assim, houveram surpresas no curto tempo de teste a que tive acesso. A primeira delas foi o absoluto silêncio do Renault Zoe. Eu já imaginava que um carro elétrico faria poucos ruídos, mas eu não esperava a completa ausência destes.

Quando entrei no veículo, tive que perguntar ao assessor se ele estava ligado. A chave presencial com partida por botão não ajudaram a desvendar o mistério.

Torque imediato: uma exclusividade dos elétricos

Em absoluto silêncio, dei a largada, e não pude evitar de esperar que nada acontecesse. Mas a sensação passou quando senti a resposta do acelerador: graças à arquitetura elétrica, o Renault Zoe desfruta de entrega imediata de torque. Isso quer dizer que não é necessário esperar as rotações chegarem à altura certa para conhecer toda a força do veículo.

Dei uma volta no Renault Zoe e conto todos os diferencias de dirigir um elétrico, desde o torque imediato até a independência dos postos de combustível.

Essa força já está inteiramente disponível, a qualquer velocidade, e chega rápida às rodas. Na verdade, nem mesmo existem “rotações” no motor elétrico, assim como inexiste, no painel, um conta-giros. O modelo é equipado com motor de 92 cavalos de potência, 22 kgfm de torque, e tração dianteira.

A segunda surpresa foi em relação ao câmbio automático. Minha experiência com a manopla foi de um mecanismo macio e delicado, mas ele escondia outra grande diferença dos carros elétricos. A transmissão não é, exatamente, “automática”, pois não existem marchas no sistema. É como se houvesse apenas uma velocidade, que se desdobra infinitamente até o veículo alcançar sua velocidade máxima.

Dei uma volta no Renault Zoe e conto todos os diferencias de dirigir um elétrico, desde o torque imediato até a independência dos postos de combustível.

No caso do Renault Zoe, ela é de 135 km/h. Infelizmente, não tive a oportunidade de colocá-lo a prova em altas velocidades. Devido às limitações da ocasião, meu trajeto com o veículo foi urbano e lento. Pela mesma razão, não pude ver suas tecnologias de assistência em funcionamento, como o controle eletrônico de estabilidade (ESC) e o controle de tração (ASR).

Além delas, o compacto também é equipado com quatro airbags, monitoramento eletrônico da pressão dos pneus (TPMS), sistema Isofix, sensor de chuva, piloto automático com limitador de velocidade, e assistente de partida em rampa (HSA).

Renault Zoe tem direção macia e facilita as manobras

O que pude conhecer foi a câmera de ré e a manobrabilidade do Renault Zoe, quando o estacionei em uma garagem subterrânea, ao fim do teste. As imagens da traseira são reproduzidas na tela central quando a ré é engatada, com faixas sinalizadoras indicando a direção da manobra. Nessa hora, percebi que o volante, com assistência elétrica, era muito macio e os acertos não exigiram esforço.

Dei uma volta no Renault Zoe e conto todos os diferencias de dirigir um elétrico, desde o torque imediato até a independência dos postos de combustível.

Ao contrário de alguns de seus poucos concorrentes, como o Nissan Leaf (R$ 178.400) e Chevrolet Bolt (R$ 175.000), o modelo não possui opção de condução com apenas um pedal. Ainda assim, parte da energia despendida durante a frenagem é reaproveitada para recarregar a bateria.

Durante o teste que fiz, fiquei sabendo que a unidade que eu estava dirigindo havia sido fabricada em 2013. O veículo estava em boas condições para a idade, mas apresentava um defeito: o ar-condicionado não estava funcionando.

Dei uma volta no Renault Zoe e conto todos os diferencias de dirigir um elétrico, desde o torque imediato até a independência dos postos de combustível.

Por fim, também não pude testar a autonomia do compacto. De acordo com a própria fabricante, o Zoe pode andar por 300 quilômetros entre uma carga e outra, no ciclo NEDC. A capacidade é fornecida por uma bateria de 41 kWh, e está na média do que a maioria dos concorrentes oferece. Na tela central, um modelo indica a quantidade de energia, se algum sistema está fazendo uso dela (como o ar-condicionado), e os momentos em que a frenagem está fornecendo eletricidade.

Apesar dos obstáculos, os carro elétricos são o futuro

Ao imaginar ter um Renault Zoe ou outro carro elétrico, pensei que o mais prazeroso, para mim, seria a leveza na consciência de não estar contribuindo para a poluição atmosférica diariamente. Me ver livre dos altos preços dos combustíveis também não seria mau.

Até mesmo a praticidade de nunca ter que passar em um posto de abastecimento, e recarregar o carro em minha própria residência, parece ser um grande diferencial. No caso do Zoe, é necessário instalar um carregador próprio no local, que custa cerca de R$ 5 mil e exige uma equipe especializada.

Dei uma volta no Renault Zoe e conto todos os diferencias de dirigir um elétrico, desde o torque imediato até a independência dos postos de combustível.

Outro obstáculo é que o modelo só está disponível para test drive em concessionárias da marca em São Paulo (SP) e Curitiba (PR).

Afinal, os carros elétricos ainda são um pouco inacessíveis no Brasil – pelo menos por enquanto. Os preços ainda estão acima dos de veículos de entrada, o que ocorre em todo o mundo e é explicado pelos custos das baterias.

Também há a ausência de uma rede de recarga para viajar com veículos do tipo. Por enquanto, só há pontos públicos em grande centros urbanos, e também na rodovia Dutra, que liga São Paulo (SP) ao Rio de Janeiro (RJ).

Outro problema são os limitados incentivos do governo, que não ajudam o cidadão a fazer a mudança da combustão para a eletricidade. Contudo, em um futuro próximo, espero ver esse cenário evoluir muito, e isso será uma grande revolução para o estilo de vida da nossa sociedade.

Confira a galeria de fotos do Renault Zoe

Fotos Renault | Divulgação

Avalie o conteúdo:
PéssimoRuimRegularBomExcelente (4 votos, média: 4,75 de 5)
Loading...
Clique na estrela para avaliar.
2 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Avatar
    Alencar 28 de abril de 2019

    Muito bom este futuro de elétricos.
    Porém acho q a industria deveria universalizar uma unica bateria, único modelo universal,
    De forma q no futuro logo adiante quando estas coisas não funcionarem o dono do carro não tenha q jogar o carro fora.
    Até pode-se ter modelos mais poderosos, no sentido carrões onde eles são mais potentes terem duas ou 3 baterias, mas que elas sejam exatamente igual ao minimo carro que vem pro mercado.
    Carro não é celular, que em um ano se compra outra bateria por balela e no outro ano se joga o celular.

    • Avatar
      Ulisses 29 de abril de 2019

      O celular também não deveria ser da maneira que é, mas o povo paga, compra outro novo… Paciência… Só acho que o sistema de carregamento poderia ser via tomada normal 110/220V. Assim seria mais universal, se bem que com essa confusão de tomadas que virou o país, também ficou delicado rsrsrs

Avatar
Deixe um comentário