Itens de manutenção para um seminovo

Não dá para saber se o dono anterior cuidava direito

Por BORIS FELDMAN29/04/18 às 13h00

Pois é, a grana estava curta para levar um zero quilômetro e você precisava de um carro melhor pois o possante já estava exagerando nas visitas à oficina. Você decidiu então trocar seu mais usado por um menos usado, descobriu um seminovo em excelente estado e fechou negócio. Mas, por melhor que esteja, nunca se tem certeza sobre os cuidados tomados pelo antigo dono e sempre vale a pena cuidar dos itens básicos de manutenção para um seminovo.

carro usado carro seminovo vendedor comprar vender manutenção para um seminovo

Para começo de conversa, todos os filtros e líquidos devem ser substituídos. Os filtros: de combustível, óleo, ar, e da cabine ou ar condicionado. Os líquidos são: radiador (ou refrigeração: água mais aditivo), fluído do freio e óleo do motor. E recomenda-se a troca pois todos possuem prazo de validade e não se sabe se o dono anterior respeitava rigorosamente as recomendações do manual. Além disso, alguns até relaxam na manutenção depois que decidem trocar o possante. Algumas dessas trocas deixam rastro: a do óleo do motor, por exemplo, costuma deixar uma etiqueta no parabrisa indicando quando deverá ser a próxima.

Outra dica importante é que, com essa quantidade de recalls no Brasil, vale a pena conferir se o seu carro foi submetido a um deles e, no caso positivo, se foi levado à concessionária. Apesar de o recall envolver algum item de segurança, nem a metade dos carros chamados é levada para o reparo, apesar de gratuito. Por isso, esse deve ser mais um item de manutenção para um seminovo.

No caso de dúvida, basta ligar para o SAC (0800) da marca e informar o número do chassis e motor, pois as concessionárias e as fábricas fazem um controle e sabem quais carros foram submetidos ao recall. A importância deste registro levou o Contran a determinar que os automóveis não levados às concessionárias deveriam ter esta informação anotada no documento (DUT) para orientar os eventuais compradores. Mais uma lei “que não pegou” pois não foi possível estabelecer um canal de comunicação entre governo, fábricas e concessionárias. Dá para entender?

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman

0 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Deixe um comentário