Manual é enganoso quanto ao consumo de óleo do motor

A concessionária disse que é normal um carro novo consumir um litro de óleo em 1.000 km - mas isso não é verdade

Por BORIS FELDMAN17/06/18 às 09h00

Leitor da coluna diz ter levado o carro novo à concessionária para reclamar de um excessivo consumo de óleo do motor. Foi seu diagnóstico ao ter que completar com um litro nos primeiros mil quilômetros. A explicação – não convincente – do consultor técnico da oficina foi de que nos primeiros 1.000 a 1.500 quilômetros seria normal um pequeno excesso no consumo do óleo do motor. Que depois de rodar uns 5.000, que a oficina disse ser o período de “amaciamento”, o consumo de óleo se reduziria.

é normal um consumo de óleo do motor alto em um carro novo?

O raciocínio da oficina está correto, mas muito otimista. Existe mesmo a possibilidade de um consumo excessivo de óleo até que as partes internas do motor, como pistões e cilindros, se ajustem entre si. É o chamado “assentamento” destes componentes, essencial para que o consumo entre na normalidade.

Nosso leitor se diz desconfiado desta explicação e acha pouco provável que o consumo se reduza tanto aos 5.000 km. Eu diria que não precisa ficar desconfiado: pode ter certeza de que esta explicação é conversa para boi dormir.

É bem verdade que o motor pode apresentar um pequeno excesso no consumo de óleo nos primeiros quilômetros. Mas nada que exceda uns 5 a 10% do valor considerado normal. Ora, há um consenso entre as fábricas de automóveis de que o consumo de óleo do motor não deve exceder um litro a cada 5.000 km. Ou seja, o motor do leitor está queimando cinco vezes além do valor considerado razoável. Posso apostar que, aos cinco mil, ele ainda estará consumindo um volume muito excessivo de óleo, pois é óbvio que o motor apresenta alguma deficiência. Queimar um litro por 1.000 km só é razoável em motores que já rodaram dezenas ou centenas de milhares de quilômetros, jamais num carro zero quilômetro.

Entretanto, algumas fábricas, para se eximir de responsabilidade, costumam colocar no manual do proprietário ser “normal” este consumo de um litro de óleo a cada 1.000 km. Não é!

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman

2 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Rodolfo 20 de julho de 2018

    Caro Boris, muito bom dia!
    …. Um fato que os leitores e motoristas se esquecem de contar é que alguns deles ou quem sabe a maioria deles, fazem trajetos curtos, ou seja, andam menos de 10 quilômetros ou 20 minutos, o que ocorrer primeiro, e desligam o motor. Assim o óleo perde drasticamente a sua viscosidade e por consequência o consumo de óleo aumenta consideravelmente.
    …. É sabido que nos trajetos curtos o combustível em excesso injetado na câmara de combustão durante a fase de aquecimento do motor, assim como a água do ar e/ou do etanol que se diluem no óleo, se o motor não funcionar por esses 10 km ou 20 minutos, todo esse combustível e água diluídos no óleo não terão tempo suficiente para evaporar do óleo. Assim o óleo a cada trajeto curto que o motor executa vai perdendo fatalmente a sua viscosidade.
    …. Eu mesmo achava que meu uso era “normal”, a cada 15 dias rodava por rodovias para ir a casa da minha sogra a 90 quilômetros de casa, mas a cada 15 dias fazia trajetos curtos de 5 km e 10 minutos. Só uso este carro aos finais de semana.
    …. Então na análise de óleo que estou fazendo para poder postergar a troca de óleo com total segurança, vi que o óleo que era 20W-50 semissintetico com 19 cSt com apenas 2.000 km de uso passou a ser 20W-40 ou 15W-40 com apenas 16 cSt a 100°C.
    ….. Foi então que passei a andar por no mínimo 20 minutos e a viscosidade se manteve estável nas análises de óleo posteriores dos 4.500 e 5.600 km nos 16 cSt.
    …. Assim veja como o trajeto curto é um verdadeiro veneno para o óleo do motor.
    …. Para quem tiver interesse vejam o vídeo que eu fiz da análise de óleo do meu Gol 1.8 AP ano 1990 a gasolina no meu Canal do YouTube: “Rodolfo do Gol Quadrado”.
    Um forte abraço,
    Rodolfo
    Engenheiro Mecânico

  • Eduardo 17 de junho de 2018

    Sce da renult?

Deixe um comentário